Torcida organizada arruma tumulto na Gávea

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 7 de maio de 2003 as 23:35, por: cdb

O clima esquentou na Gávea no fim da noite desta terça-feira. Insatisfeitos com a quantidade de ingressos disponibilizados pela diretoria para a partida entre Flamengo e Vitória, nesta quarta-feira, no Maracanã, pela Copa do Brasil, integrantes de torcidas organizadas foram exigir um número maior de cortesias.

Como o clube se negou a aumentar de 1 mil para 2 mil o número de ingressos, os torcedores partiram para a agressão física e o recém-eleito vice-presidente, Arthur Rocha Neto, quase foi agredido. Houve tumulto e até tiros foram ouvidos dentro do clube. A polícia foi chamada, mas não conseguiu prender nenhum suspeito.

Irritado pela sede da Gávea ter virado praça de guerra, o presidente Hélio Paulo Ferraz resolveu acabar com os ingressos cortesias e também anunciou o cancelamento da ajuda financeira para os torcedores incentivarem o time em jogos fora do Rio.

“Levei o assunto para a polícia do Rio, a quem cabe agora a investigação e a indicação oficial dos culpados pelos incidentes. A diretoria do Flamengo tomou tal atitude com o objetivo de manter a segurança do quadro social. A partir de hoje, só terão acesso à sede da Gávea os sócios do clube. Os torcedores não poderão mais entrar”, decretou Ferraz.