Tiro que atingiu estudante foi disparado por um policial

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 15 de maio de 2003 as 09:08, por: cdb

O tiro que atingiu a estudante Luciana Gonçalves Novaes, de 19 anos, no dia 5 de maio na Universidade Estácio de Sá foi disparado por um policial que estava dentro do campus. As informações são da Secretaria de Segurança Pública, obtidas pelos responsáveis pelo inquérito.

O nome do policial não havia sido informado até a noite de quarta-feira, assim como ainda não foi revelado se ele pertence à Polícia Militar ou Civil. A investigação aponta que o policial vestia trajes civis e baleou a estudante por engano enquanto tentava atirar em um traficante do morro do Turano que havia invadido o campus. Outra dúvida que ainda persiste é se o policial trabalhava no campus como segurança ou se investigava tráfico de drogas na universidade.

A polícia não descarta a possibilidade de que ele esteja sendo protegido pelos encarregados do sistema de segurança do campus. A suspeita foi confirmada na quarta-feira com a descoberta da Polícia Civil de que pelo menos dez minutos de imagens do circuito interno foram eliminadas dos discos rígidos entregues à Delegacia de Repressão a Entorpecentes. Os trechos mostram o exato momento em que a estudante foi baleada.

Para os investigadores, as imagens devem ter sido eliminadas porque mostravam o autor do disparo. Na opinião do chefe da Polícia Civil, Álvaro Lins , o desaparecimento das imagens foi uma “manobra grosseira e infantil” e uma tentativa de “preservar a atividade de segurança do local que poderia estar sendo feita de maneira irregular”.

Pela noite a Polícia Civil também informou que outras duas fitas da universidade sumiram. Segundo a polícia, as fitas continham imagens da sala do operador das câmeras de segurança e de uma tela que reunia as filmagens de todas as câmeras.

Lins deu prazo até esta quinta-feira para que apareçam as imagens, e caso contrário, indiciará os diretores da universidade e da empresa Telesegurança – responsável pelas câmeras – por fraude processual.