Timão arranca empate do Santos aos 45 do segundo tempo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 9 de julho de 2003 as 18:15, por: cdb

O Corinthians impediu a seqüência de vitórias do Santos aos 45min do segundo tempo. O Peixe, que havia vencido os últimos cinco confrontos, não deteve o gol de Leandro Amaral, que marcou após rebote do goleiro Fábio Costa. A partida terminou empatada por 1 x 1.

O triunfo do Timão, além de melhorar razoavelmente a situação da equipe no certame, garantiu por mais algumas rodadas o emprego de Geninho. Pressionado desde a eliminação da equipe na Copa Libertadores, o treinador não é bem visto por conselheiros do clube. Na opinião de muitos cartolas, Geninho não é “técnico de time grande”.

Antônio Roque Citadini, vice-presidente de futebol, declarou no início da semana que o técnico continuaria empregado mesmo em caso de derrota.

Desagradável apenas o comportamento dos adversários nos descontos do clássico. Uma suposta agressão do goleiro santista em Liedson culminou com uma confusão generalizada. A Polícia Militar foi obrigada a intervir.

O resultado levou o Santos aos 31 pontos, mesma pontuação do Cruzeiro, que liderava sozinho a competição. A equipe mineira, porém, disputou um jogo a mais. Já o Corinthians, passou a somar 24 pontos.

A partida começou em ritmo alucinante. Logo a 2min, após cruzamento de Vinícius, Liedson cabeceou por cima do gol.

O Santos respondeu com Nenê, aos 3min. O atacante recebeu lançamento dentro da área e chutou em cima de Doni. A arbitragem, no entanto, marcou impedimento.

Apesar dos importantes desfalques – Alex, Paulo Almeida, Diego e Robinho, convocados para a Seleção Brasileira Sub-23 -, o Peixe começou melhor o clássico. Aos 9min, aproveitando cobrança de escanteio, Pereira cabeceou firme e o goleiro corintiano fez boa defesa.

O Timão, que não pôde escalar Anderson, Moreno, Leandro (suspensos) e Kléber, ainda contundido, encontrava dificuldades para criar. Fumagalli e Jorge Wagner, nada inspirados, dificultavam as ações ofensivas do alvinegro. A marcação implacável do Santos também contribuiu.

Antes de abrir o placar, o Peixe esteve perto de marcar com Ricardo Oliveira. Aos 11min, César falhou e Doni impediu que o artilheiro finalizasse.

Mas Nenê, dois minutos depois, não perdoou. O atacante partiu pela esquerda e chutou cruzado. A bola, antes de entrar, desviou no joelho do capitão Fábio Luciano. 1 x 0.

O Corinthians, apoiado pela Fiel, assimilou bem o gol. Aos 22min e 29min, com Liedson e Gil, respectivamente, perdeu duas excelentes oportunidades. Fábio Costa, algoz do Timão na final do Brasileirão 2002, fez defesas à queima roupa.

Aos 32min, um lance inusitado. O médico do Santos, Carlos Braga, bateu a cabeça na cobertura do banco de reservas e precisou ser atendido pelo colega corintiano. Braga recebeu pontos.

A equipe de Parque São Jorge ainda chegou com Fumagalli, aos 36min, que tentou de cabeça encobrir Fábio Costa, e aos 42min, com Rogério, em cobrança de falta. A bola, porém, saiu pela linha de fundo.

O panorama da partida não mudou na etapa complementar. Elano e Nenê, a 1min e 4min, assustaram com chutes por cima do gols. Na seqüência, o Corinthians voltou a pressionar o adversário.

O time de Parque São Jorge, apesar da boa marcação do Peixe, chegava em jogadas pelas laterais e em cobranças de falta e escanteio. Mas faltava sorte, pontaria e categoria ao alvinegro da capital.

O Santos, quando subia ao ataque, levava perigo. Após boa troca de passes, na entrada da área, Léo chutou forte, à direita de Doni. A jogada aconteceu aos 26min.

Na tentativa de empatar o jogo, Geninho trocou Fabrício e Jorge Wagner por Leandro Amaral e Renato. E funcionou. Aos 45min, Renato cobrou falta com violência, Fábio Costa espalmou e Leandro finalizou. 1 x 1.

Antes do apito final, uma suposta agressão do goleiro santista em Liedson desencadeou uma confusão generalizada no gramado. Todos os reservas entraram em campo e a polícia precisou intervir.


CORINTHIANS 1 x 1 SANT