Tião Viana defende julgamento sereno para Antônio Palocci

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008 as 20:31, por: cdb

Ao comentar discurso proferido pelo senador Efraim Morais (DEM-PB) na última semana, solicitando a apresentação de notícia-crime contra Rogério Tadeu Buratti por ter retirado acusações contra o ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci,feitas em 2005 na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos, o senador Tião Viana defendeu um julgamento “isento e desapaixonado” para o ex-ministro.

Tião Viana considerou natural a mudança de posição de Buratti, uma vez que, em sua avaliação, a exacerbada luta política, às vésperas das eleições presidenciais de 2006, o submeteu a diversas situações de constrangimento.

– Parece-me que o ministro Palocci deva ter o direito de um julgamento sereno, isento, absolutamente desprovido de um envolvimento emocional da política, para poder ser feita a devida justiça nesse caso – disse.

Referindo-se à denúncia de que Palocci teria superfaturado contratos de varrição firmados entre a empresa Leão & Leão e a Prefeitura de Ribeirão Preto, Tião Viana lembrou que Palocci não foi o responsável pela licitação, que foi assinada antes de ele ter assumido a prefeitura daquele município, em 2001.

Em apartes, os senadores João Pedro (PT-AM), Eduardo Suplicy (PT-SP) e Cristovam Buarque (PDT-DF) manifestaram seu apoio ao pronunciamento de Tião Viana. João Pedro ressaltou a “grande contribuição” dada por Palocci, quando à frente do Ministério da Fazenda, para que o Brasil atingisse a situação atual de credor internacional. Suplicy citou diversos exemplos de “boa administração da coisa pública” dados por Palocci.

Mão Santa (PMDB-PI) discordou de Tião Viana quanto à validade de pesquisas de opinião, citadas pelo senador, que atribuíram apenas 0,5% de confiança no Legislativo. Em sua opinião, o Congresso Nacional “é uma Casa de alta respeitabilidade” e que está acima, no conceito popular, dos demais Poderes.