Terroristas aprenderão o significado da justiça norte-americana, diz Bush

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 13 de maio de 2003 as 16:44, por: cdb

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, avisou, nesta terça-feira, que os mentores dos atentados suicidas que estremeceram a capital da Arábia Saudita na véspera, deixando dezenas de mortos e feridos, “aprenderão o significado da justiça norte-americana”.

Os ataques, que, segundo Washington, têm as características das ações da rede Al Qaeda, de Osama bin Laden, destruíram três condomínios em Riad, matando pelo menos 20 pessoas, além dos nove terroristas, cujos corpos foram encontrados carbonizados em meio aos destroços.

Fontes sauditas chegaram a falar na possibilidade de haver até 90 mortos, mas os números não foram confirmados pelos Estados Unidos. Entre as vítimas fatais, há pelo menos sete norte-americanos.

Cerca de 200 pessoas ficaram feridas na seqüência de quatro explosões, que visaram prédios habitados principalmente por ocidentais.

Em discurso na cidade norte-americana de Indianápolis, a última escala de um giro para promover seu plano de redução fiscal, Bush jurou que os mentores dos atentados serão caçados e punidos.

– Estes atos desprezíveis foram cometidos por assassinos cuja única fé é o ódio. E os Estados Unidos encontrarão os assassinos e lhes ensinarão o significado da justiça norte-americana -, declarou Bush.

– Os ataques na Arábia Saudita, o assassinato impiedoso de norte-americanos e outros cidadãos, nos lembram que a guerra contra o terror continua -, encerrou.

O FBI, a polícia federal dos Estados Unidos, decidiu enviar uma equipe de investigadores de Washington para Riad, a fim de realizar investigações próprias sobre os atentados.

Os agentes do FBI pedirão ao governo saudita que lhes dê acesso total a qualquer prova referente à ação terrorista.

Os atentados aconteceram menos de duas semanas após o Departamento de Estado norte-americano ter alertado seus cidadãos para possíveis atos terroristas na Arábia Saudita.

Na semana passada, o governo de Riad divulgou informações sobre 19 suspeitos de terrorismo – 17 deles sauditas – que estariam planejando atentados.

O ministro do Interior saudita, príncipe Nayef, disse a um jornal de Riad, nesta terça-feira, que os suspeitos que vinham sendo procurados estavam por trás dos ataques da véspera.

Condenação mundial

A começar pela Arábia Saudita, líderes de várias partes do mundo divulgaram mensagens de condenação às múltiplas explosões em Riad.

– O sangue de cidadãos sauditas foi misturado neste trágico acontecimento com o de norte-americanos – disse o príncipe Saud al-Faisal, ministro do Exterior saudita.

– Isso deve aumentar nossos esforços, não nos deixar hesitar na adoção de qualquer medida necessária para combater estas pessoas que apenas odeiam, apenas matam – e sem motivo algum -, concluiu.

Na Austrália, o ministro do Exterior Alexander Downer mencionou o papel da rede de bin Laden.

– Parece uma ação da Al Qaeda ou de uma das organizações ligadas à Al Qaeda. E parece ter sido planejado antes mesmo do começo da guerra no Iraque – disse.

Em Londres, o Ministério das Relações Exteriores exortou os britânicos a evitar viagens desnecessárias à Arábia Saudita.

Segundo a chancelaria, ainda existe uma “ameaça alta” de novos ataques – inclusive com armas químicas e biológicas.

– Estamos trabalhando em conjunto com as autoridades sauditas para garantir que aqueles que perpetraram estes crimes sejam julgados -, acrescentou o secretário do Exterior, Jack Straw.

A França condenou “com a maior firmeza possível” as explosões. Sua embaixada na Arábia Saudita informou que três franceses ficaram feridos e aconselhou aqueles que se encontram no país do Golfo Pérsico a manter “vigilância máxima”.

– Todos os feridos estão muito chocados com o que viram, pois a explosão foi muito grande -, comentou o embaixador francês em Riad, Bernard Poletti.

Por sua vez, o ministro do Exterior alemão, Joschka Fischer, expressou horror com os ataques, os quais, em sua opini