Terror: Inglaterra desconfia que rebeldes não são iraquianos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de outubro de 2003 as 16:40, por: cdb

O enviado especial britânico ao Iraque, Jeremy Greenstock, declarou nesta terça-feira que grupos terroristas estrangeiros foram responsáveis pela onda de ataques em Bagdá, que causou 42 mortos na segunda-feira.

Greenstock afirmou que os ataques suicidas “foram um sinal de que foram usadas técnicas terroristas estrangeiras” e completou que grupos de outros países “estão tentando desestabilizar a segurança no Iraque”.

“Há terroristas suicidas em quase todas as explosões de ontem em Bagdá com bombas. Isto foi um sinal importante de que foram usadas táticas de terroristas estrangeiros, muito mais do que de grupos ligados a Sadam Husseim”, disse o diplomata à BBC.

Greenstock, ex-embaixador da Grã-Bretanha na ONU, admitiu também que um dos terroristas era de origem síria.

“Estes terroristas vêm de regiões ainda mais isoladas que os países vizinhos, provavelmente do Afeganistão e de mais outros lugares além do mundo islâmico”, completou.

A respeito da possibilidade da Síria e Irã estarem causando diretamente os problemas no Iraque, o enviado britânico enfatizou que “os países vizinhos que agora cooperam com o Iraque, também possuem elementos para interferir no processo de estabilidade iraquiana”.

Os ataques de ontem com bomba em Bagdá causaram a morte de pelo menos 42 pessoas e mais de 200 feridos.