Terroir uma denominação mais do que lucrativa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 9 de dezembro de 2007 as 18:12, por: cdb
Atualizado em 14/11/16 19:56

“Terroir é um termo de origem francesa (lê-se terroar), provém do latim popular (terratorium) alterado no galo-romano (territorium; territoire). Significa originalmente uma extensão limitada de terra considerada do ponto de vista de suas aptidões agrícolas, particularmente à produção vitícola. Usa-se também a expressão produtos de terroir para designar um produto próprio de uma área limitada. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Sucede que terroir é mais que isso, não é simplesmente uma conjunção de solo e microclima que se prestam ao cultivo de um produto excepcional, há uma indispensável contribuição do saber que foi passando de geração a geração acerca do trato da terra.

Não são só as faixas territoriais que são controladas e delimitadas, é o modo de produção e a utilização dos produtos. Pergunte à um produtor de queijo da Serra da Canastra qual o melhor leite? De imediato lhe dirá que é o proveniente de vacas sem raça. E, o mesmo se dá em quase todas as regiões que são conhecidas por seus produtos diferenciados.

Portanto, arrisco em afirmar que na maioria dos casos, mais importante que o solo e o clima de determinada região, foi a contribuição humana que veio sendo aperfeiçoada de geração em geração, a fim de selecionar não somente o melhor grão ou animal (e cruzamentos) como também a forma de plantio, alimentação, manejo mais adequada para determinada região para se obter um produto final tão emblemático que possibilite saber de onde provém seja pelo tato, olfato ou paladar.

Mas o terroir vai mais além. É hoje, induvidosamente, questão política e econômica. A decisão de se delimitar a região, a forma de produção etc, para somente então poder ser reconhecido o produto como tal, é uma imposição de caráter mais politico econômico do que de preservação.

Claro que existem produtos realmente diferenciados, pois tal preocupação foi tomada há séculos pelos povos que habitavam as respectivas regiões. Mas hoje o que mais se vê nos mercados são produtos que estão ligados ao terroir ou são Denominação de Origem Controlada (DOC), quase tudo é DOC. Com certeza há uma indústria de publicidade por trás de muitos desses controles. Hoje se você tem um vinho ou um produto DOC de certo venderá mais que um que não traga tal indicação.

Assim, muita atenção nas compras porque o terroir, hoje em dia, é um excepcional termo para vendas e valorização.

Receita da semana

Tartar de peixes com grãos – 06 porções

Ingredientes:

600g de peixes diversos (salmão e robalo)
Grãos diversos (trigo, arroz selvagem e arbório)
04 tomates
01 limão siciliano
Azeite extra virgem
Broto de alfafa
Vinagre de framboesa
Geléia de framboesa
Manjericão, dill e ciboulette
Sal e pimenta

Procedimento:

1 – Corte os peixes em quadrados. Ponha em uma tigela, acrescente o limão, azeite, sal, pimenta e o dill. Tampe e coloque na parte mais fria da geladeira. De vez em quando dê uma mexida. Prepare, no mínimo, 30 minutos antes de servir.
2 – Tire as sementes dos tomates e corte em cubos, menores que o peixe. Coloque em uma tigela tempere com sal, pimenta, manjericão e azeite. Reserve também na geladeira.
3 – Cozinhe os grãos separadamente, somente com água, de modo que fiquem bem resistentes. Quando prontos dê um choque térmico, com água fria, a fim de parar o cozimento. Reserve.
4 – Prepare o vinagrete. Bata 3 partes de azeite para quase 2 do vinagre, acrescente a geléia aos poucos, sal e pimenta. Tome cuidado com a geléia, ela deve simplesmente dar um sabor especial, portanto não exagere. Afinal de contas é um vinagrete, deve ter uma certa acidez.

Na hora de servir, vá montado as porções nos pratos. Os grãos devem ser generosamente regados com o vinagrete. Um ponto a ser observado