Terremoto no Irã mata mais de 20 mil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 26 de dezembro de 2003 as 21:45, por: cdb

Mais de 20 mil pessoas morreram e pelo menos 50 mil ficaram feridas após um terremoto de 6,3 graus na escala Richter ter sacudido na sexta-feira a cidade histórica de Bam, no sudoeste do Irã, disseram autoridades. “As equipes de resgate encontraram mais corpos. O número agora passa dos 20 mil”, disse um representante do governo. Os EUA e a Comunidade Européia estão enviando ajuda humanitária ao país.

O noticiário da televisão iraniana informou que cerca de 70% das construções de Bam, uma popular cidade turística a cerca de mil quilômetros a sudeste da capital do país, Teerã, haviam desabado com o terremoto. Testemunhas disseram que muitas casas desabaram e que as praças da cidade estavam lotadas de crianças chorando e de desabrigados, envoltos em cobertores para se proteger do frio.

Cadáveres envoltos em cobertores eram removidos em furgões. “Perdi toda a minha família. Meus pais, minha avó e duas irmãs ficaram sob os escombros”, disse Maryam, 17. A mídia estatal informou que dois dos hospitais de Bam desabaram, esmagando muitos dos médicos e enfermeiros, e os demais hospitais estavam lotados. Os feridos, mais de 30 mil, estavam sendo removidos para cidades vizinhas. O terremoto aconteceu de madrugada na cidade de aproximadamente 200 mil habitantes, quando a maioria dos moradores estava dormindo.

Ajuda internacional

A Casa Branca ofereceu assistência para os sobreviventes do terremoto que sacudiu a cidade de Bam, sudeste do Irã, e matou pelo menos 20 mil pessoas. “Oferecemos assistência humanitária”, disse o porta-voz da Casa Branca, Scott McClellan, aos jornalistas a bordo do Air Force One em viagem a Crawford (Texas), para onde o presidente norte-americano, George W. Bush, foi hoje para passar o ano novo.

McClellan não disse a quantia nem a forma da ajuda oferecida ao Irã, país incluído por Bush no chamado “eixo do mal” e com o qual Washington não mantém relações diplomáticas desde a tomada de reféns em sua embaixada de Teerã em 1979. “É uma tragédia terrível. Nossos pensamentos e orações são para aqueles que ficaram feridos e para as famílias dos que morreram”, disse o porta-voz. Está previsto que nas próximas horas o Departamento de Estado ofereça informação mais precisa sobre a ajuda oferecida.

A Rússia e a Alemanha se ofereceram prontamente para mandar equipes de resgate. O Ministério de Emergências russo, acostumado a responder prontamente aos desastres naturais e aos provocados pelo homem, disse ter condições de enviar unidades de médicos, paramédicos e cães farejadores treinados para encontrar vítimas presas sob os escombros. A Organização das Nações Unidas (ONU), mais a França, a Itália e os Estados Unidos também se ofereceram para enviar ajuda humanitária.

Uma grande parte da fortaleza de Bam, um dos principais atrativos turísticos do Irã, foi destruída com o tremor, disse Mohammad Karimi, governador da província de Kerman, onde fica Bam. A fortaleza de 2 mil anos tinha torres, prédios, estábulos e uma mesquita. Bam fazia parte da antiga Rota da Seda, que ligava a Europa à China e foi usada por mercadores e viajantes por séculos. Ela tem hospedarias, um ginásio, uma escola religiosa e mercados, de acordo com sites de turismo.

Terremotos são comuns no Irã, cujo território é cruzado por várias falhas geológicas. Em junho do ano passado, um tremor de 6,3 graus na escala Richter atingiu o norte do país, matando pelo menos 229 pessoas e ferindo mais de mil. Mais de 35 mil pessoas morreram em 1990 quando um terremoto de intensidade 7,7 na escala Richter atingiu a área noroeste o Irã. A capital, Teerã, foi atingida por um tremor 7 graus na escala Richter em 1830.