Tecnologia invade escolas tradicionais no Carnaval do Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de fevereiro de 2003 as 16:07, por: cdb

A disputa por uma vantagem de décimos de ponto para conquistar o campeonato no Carnaval carioca está levando as tradicionais escolas de samba a lançarem mão de inovações tecnológicas.

O Carnaval hi-tech é uma realidade hoje na Avenida, depois de ter sido retratado em décadas passadas como ficção científica em enredos futuristas.

Sob o tema “Os Dez Mandamentos”, a Mangueira instalou sistemas hidráulicos em seus carros alegóricos para dar movimento às alegorias e suporte aos destaques. Mas garante que pretende chegar ao bicampeonato com a garra de sempre.

“A tecnologia não concorre com a tradição. Vamos ganhar com tecnologia e samba no pé”, disse o presidente da escola, Álvaro Luís Caetano.

A Mangueira usou tecnologia na Comissão de Frente há alguns anos, quando o coreógrafo Carlinhos de Jesus colocou um bebê na Avenida. O robô ganhou aplausos das arquibancadas.

Jesus pretende novamente inovar na abertura do desfile da escola. “Vou usar muita coisa mecânica”, afirmou ele sem, no entanto, contar detalhes sobre as alegorias. Porém, Jesus garante que futuro e passado convivem lado a lado na Mangueira.

“Ao mesmo tempo em que investimos em novos recursos, buscamos as origens. O tecido da roupa que a Comissão vai usar foi confeccionado num tear rústico em fio de algodão, do tipo usado na época dos Dez Mandamentos”, explicou. A veterana Portela também pretende dar à águia, símbolo da escola que sempre abre os desfiles da Sapucaí, clima hollywoodiano uma vez que o enredo de 2003 fala sobre a Cinelândia.

A ave, que já utilizava recursos mecânicos para ter movimentos e ruídos, desta vez deverá sair de um projetor de cinema, com efeitos especiais.

“Ela terá movimentos e sons novos. Vai bater asas e se deslocar para bem próximo do público nas arquibancadas”, afirmou o presidente da Portela, Carlos Teixeira Martins.

A exemplo da Mocidade Independente, que em 1991 venceu o Carnaval ao inundar a Sapucaí com o tema “Chuê-Chuá, As Águas Vão Rolar”, a Porto da Pedra utilizará modernas bombas d’água.

“Não acho que seja um recurso desgastado. A água faz parte da vida. Os equipamentos vão permitir efeitos que vão garantir a presença da água no carro 3, que fala das fontes”, disse a diretora de Carnaval da escola, Fernanda Borrielo.

Responsável pelo mais recente show de tecnologia na Avenida, o carnavalesco Joaosinho Trinta fez um astronauta voar pelo Sambódromo nos dois últimos anos e, se não garantiu a vitória da Viradouro, conseguiu mobilizar a atenção da imprensa e da platéia.

Este ano ele deverá buscar inovações novamente, sob o enredo “O Brasil que Vale”, que teve o patrocínio da Companhia Vale do Rio Doce. Foi um investimento de 6 milhões de reais para a escola contar as riquezas minerais do Brasil.