Técnicos assumem a Saúde e a Educação

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 15 de março de 2007 as 12:31, por: cdb

Em reunião com educadores na manhã desta quinta-feira, no Planalto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva encerrou as especulações quanto à nomeação da ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy para o Ministério da Educação. Ele explicou sua opção pela escolha de técnicos para esta pasta e a da Saúde. Lula manteve Fernando Haddad na pasta da Educação e para a Saúde escolheu o médico José Gomes Temporão, ex-diretor do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

– Com Educação e Saúde a gente não brinca, não partidariza. A gente monta um governo com as pessoas que têm competência. Na Saúde, se você brincar, é morte. Na educação, se você brincar é o analfabeto. Essas coisas são sérias – disse a jornalistas, respondendo se decidira não partidarizar os cargos.

O encontro com educadores foi para debater o Plano de Desenvolvimento da Educação, que prevê investimentos de R$ 8 bilhões nos próximos quatro anos na melhoria da qualidade do ensino, especialmente o Fundamental. Em seu discurso, Lula mais uma vez vinculou a questão da violência e da criminalidade à precariedade do ensino e destacou a importância da educação de qualidade como elemento de combate ao crime.

– Nós temos um estoque de 3 milhões de jovens, de 15 a 24 anos, que pararam de estudar e estão à mercê do crime organizado, de cometer barbaridades que vemos na televisão. Ao invés de ficarmos discutindo apenas as exceções que devem ser punidas, precisamos cuidar dos que representam a regra: jovens pobres que precisam estudar – disse Lula.

Enroscado no campo

Para a pasta da Agricultura, o escolhido do presidente Lula é o maior produtor de sementes do país. A história de Odílio Balbinoti (PMDB-PR)  se confunde com a trajetória de Rondonópolis, no Mato Grosso, hoje considerado o Eldorado da agroindústria. Se sua riqueza vem toda de ganhos pela agricultura na cidade matogrossense, seus mandatos de deputado federal são todos da terra onde cresceu, Paraná. Para se ter uma idéia, na última campanha, ele gastou cerca de R$ 3 milhões. Deste montante, R$ 1 milhão saiu de seu próprio bolso.

Em 1980, ele deixou Maringá (PR) e partiu para o Centro-Oeste. Quando chegou em Rondonópolis, fez do município seu principal mercado ao vender sementes para os outros agricultores. Em 2002, seu faturamento atingiu R$ 65 milhões e ainda financiou o maior laboratório de testes de sementes da América Latina (avaliado em R$ 1 milhão).

Dados de 2002 revelam que sua propriedades, só na cidade matogrossense, já apontavam o número de 26 mil hectares. Seus funcionários são munidos de alta tecnologia de comunicação, como rádios e antenas parabólicas.

O site da Transparência Brasil mostra que o nome do deputado peemedebista consta como proprietário da Rádio Educadora. Sua declaração de bens à justiça eleitoral soma R$ 40.483.057,00. O Deputado ainda é acusado de falsidade ideológica e crime contra a fé pública pelo Supremo Tribunal Federal. Odílio já foi filiado no PFL (quando foi prefeito de Barbosa Ferraz, no PR), PDT e PSDB, legenda que permaneceu até 2003 quando optou pelo PMDB e ingressou na base do Governo Lula. Antes, era base do Governo FHC.

O mais novo ministro da agricultura é uma grande surpresa para todos os parlamentares do Núcleo Agrário do PT. Não era um nome cogitado, mas é um nome complicado para os movimentos sociais do campo. Seus financiamentos vêm de grandes empresas agrícolas e bolsas de valores, mas o deputado, que está em seu quarto mandato, também financiou campanhas, como a do deputado Homero Pereira (PR-MT) que também é presidente da Federação da Agricultura do Mato Grosso. Suas proposições são alinhadas à bancada ruralista, o que dificultará muito as ações dentro do Ministério.

Mais dados:

Data de Nascimento: 08/06/1941
Naturalidade: Gaurama – RS
Ocupação: Deputado
Grau de Instrução: Ensino Médio completo
Eleito pelo PMDB com 116.398 votos (2,18%)