Tasso cobra mais criatividade do governo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de março de 2003 as 17:49, por: cdb

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) cobrou nesta quarta-feira, na tribuna do Senado, medidas inovadoras e pediu ao governo, com urgência, um “surto de criatividade”.

“Algumas medidas que não contrariassem uma política monetária e fiscal austera já poderiam ser vistas como sinais de inovação. Se o juro por si só é sufocante, o crédito para a grande maioria das pequenas e médias empresas brasileiras sequer existe”, afirmou, destacando que, já no governo passado, estava claro que a alta de juros estava chegando ao seu limite e que seus efeitos colaterais eram “insuportáveis”.

Enfatizando que, na oposição, não negará apoio à governabilidade, Tasso Jereissati chamou atenção para a importância do crédito na criação de emprego e para o desenvolvimento. “Mas o problema é que até agora, nada, absolutamente nada”, disse. “Os primeiros movimentos na área econômica me preocupam. O risco de aprofundamento de um quadro recessivo me parece possível. E não existem sinais de mudanças nem de criatividade”.

Em seu discurso, afirmou ainda que os agentes da economia brasileira estão chegando ao fim de suas forças. ” É necessário urgentemente um surto de criatividade”, disse.

Reformas

Tasso defendeu uma reforma da Previdência completa para resultar em maior poupança do setor público e, futuramente, num horizonte de poupança do setor privado. Segundo o senador, o governo deveria concentrar todas suas forças nessa reforma.

O ex-governador do Ceará ressaltou ainda a importância da reforma tributária que, na sua avaliação, enfrentará muitas dificuldades. “É tal o jogo de interesses conflitantes e legítimos que não há uma visão muito clara do que ela deva ser”, disse, acrescentando que a reforma tributária exigirá de todos os envolvidos uma dose de renúncia e desprendimento, além de um longo período de transição para sua implantação.

Para ele, o grande objetivo dessa reforma é a simplificação para diminuir a sonegação, a corrupção e ser mais justa para todos – contribuintes e Estado.

Violência

Tasso chamou a atenção para a necessidade de outras mudanças. “É perigoso colocar todas as fichas somente nas reformas. Elas, com certeza, sozinhas, não serão suficientes para mudar a atual política, a não ser pelo efeito psicológico e a mudanças das expectativas”, observou.

Segundo ele, outro tema preocupante é a violência nas grandes cidades. “E correria até o risco de dizer que a violência e o medo podem ser problemas tão grandes quanto a fome”, disse o ex-governador cearense. Fazendo um paralelo com a situação da Colômbia – onde o narcotráfico começou como ameaça e hoje tenta derrubar o poder constituído -, o senador cobrou medidas do governo.

Na sua avaliação, o governo federal, que estaria ausente, “tem a obrigação de assumir imediatamente a liderança de um conjunto de iniciativas”.