Tarde de informação, lanche e beleza no CRAS Santa Efigênia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 9 de março de 2012 as 14:11, por: cdb

Dia 8 de março não é uma data apenas para se comemorar, mas também para se aprender. Na tarde dessa quarta-feira (7), 50 mulheres se reuniram no CRAS Santa Efigênia para conhecerem um pouco mais sobre a questão da violência contra a mulher. A melhor notícia dada para as participantes do evento foi saber que, agora, qualquer pessoa pode denunciar casos de agressão. “O silêncio é cúmplice da violência e o primeiro passo para se combater esta violência é denunciando”, explicou a advogada do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), Dr.ª Isabela Piffaifer Ramos Lara.

Maria Ferreira Silva (nome fictício) não teve sua verdadeira identidade revelada por medo de sofrer represálias. Há dois anos ela é agredida pelo marido com socos e pontapés. Além disso, já recebeu um tiro no ouvido, choques com fio desencapado e uma facada que lhe deixou uma cicatriz na perna. “Minha esperança é que com essa mudança na Lei Maria da Penha alguém denuncie por mim. Ele me ameaça de morte, quebra jarro na minha cabeça, aperta meu pescoço e me obriga a manter relações sexuais. Tremo só de lembrar. Ele não me deixa viver”, desabafa.

Para casos como este existe o CREAS, que trabalha para encorajar as mulheres a vencerem a barreira do silêncio. “Procuramos romper a situação de violência e recuperar a cidadania destas mulheres através do resgate da autoestima e a inserção nos programas e atividades do CREAS”, contou a Assistente Social Erilane Viana Barbosa.

A pequena Rimara Ribeiro, de apenas 11 anos, assistiu atenta às palestras. “Já presenciei cenas de violência e hoje aprendi que homem que bate em mulher deve ser punido pela Lei Maria da Penha”, disse.

Para quem é vítima de qualquer tipo de violência, seja ela física, sexual, psicológica, patrimonial, moral ou ameaça de morte, vai o conselho de quem entende do assunto: “A mulher não tem que ter medo. Tem, sim, que se sentir envaidecida por ter coragem de denunciar e não vergonha de contar que apanha. Quem tem que se envergonhar é o agressor”, disse a Dr.ª Isabela.

Terminada a palestra, foram servidas frutas e lanche. Em seguida, foi a vez dos profissionais da Embelezze cuidarem dos cabelos e da beleza das convidadas.