Taques dos EUA passaram pelo Rio Tigre

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 8 de abril de 2003 as 08:57, por: cdb

Tanques americanos cruzaram, nesta terça-feira, a extremidade leste de uma ponte sobre o rio Tigre – onde soldados iraquianos estão entrincheirados.

Na margem oriental do Tigre, o hotel Palestina – onde estão hospedados quase todos os jornalistas estrangeiros na capital iraquiana – foi atingido por um projétil que deixou pelo menos quatro feridos.

De acordo com o correspondente da BBC Rageh Omaar, o prédio parece ter sido alvejado por morteiros, que atingiram o quarto usado pelos jornalistas da agência de notícias Reuters. Um deles teria sido gravemente ferido.

Os escritórios das redes de televisão árabes Al-Jazeera e Abu Dhabi também foram alvejados por mísseis americanos.

Mortes

A Al-Jazeera afirma que duas pessoas foram feridas no ataque, e uma delas morreu em decorrência dos ferimentos.

O canal de televisão estatal iraquiano e estações de rádio do país saíram do ar na manhã desta terça-feira.

Intensos combates estão acontecendo no centro de Bagdá nesta terça-feira, um dia depois de um comboio de tanques americano ter entrado no centro da capital do Iraque.

A nova investida das tropas americanas começou durante a madrugada.

Americanos e iraquianos trocaram tiros de metralhadoras, foguetes e morteiros antes do amanhecer, segundo Rageh Omaar.

Enquanto isso, aviões bombardeiros despejaram dezenas de bombas sobre o prédio do ministério do Planejamento e tanques tomaram posições estratégicas sobre a ponte Jumhuriya, sobre o rio Tigre, entre os principais edifícios da administração de Saddam Hussein.

‘Demonstração’

O Pentágono descreveu a invasão de Bagdá como uma “demonstração de força”, e não como o início de uma ocupação total.

O objetivo da ação, segundo militares americanos, foi convencer os iraquianos de que resistir seria um esforço “inútil”.

De acordo com Andrew Gilligan, repórter da BBC em Bagdá, as tropas americanas se concentraram na área da capital iraquiana que inclui o Palácio Republicano e o hotel Al-Rashid – onde jornalistas ocidentais ficaram na Guerra do Golfo em 1991.

Gilligan afirmou ainda que, em outras regiões de Bagdá, membros do grupo paramilitar iraquiano Fedayeen patrulham as ruas e pontes da cidade com “agressividade”.

Os Estados Unidos afirmam que 65 tanques e 40 veículos de combate Bradley participaram da primeira grande operação militar dentro da capital iraquiana, na segunda-feira

Segundo os militares americanos, diversos tanques iraquianos foram destruídos e alguns soldados das forças iraquianas abandonaram seus postos em meio à ofensiva em Bagdá.

As forças americanas dizem que têm o controle de todas as principais vias de acesso à capital iraquiana nos arredores da cidade, .

Versão iraquiana

Apesar das imagens das tropas americanas em Bagdá, a televisão iraquiana evitou as referências à movimentação na cidade e exibiu cenas de uma reunião conduzida por Saddam Hussein.

No vídeo, o presidente iraquiano aparecia ao lado de seu filho Qusay, do vice-primeiro-ministro do Iraque, Tariq Aziz, e do vice-presidente Taha Yassin Ramadan.

Pouco antes, o ministro da Informação do Iraque, Mohammed Saeed Sahhaf, negou que os “defensores” de Bagdá tivessem perdido terreno e disse que as forças iraquianas “massacraram” colunas de soldados americanos.

“Não acreditem nesses invasores e nesses mentirosos. Não há nenhum de seus soldados em Bagdá”, disse o ministro em uma entrevista coletiva.