Suspeito da Times Square diz que agiu sozinho, mas autoridades duvidam

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 4 de maio de 2010 as 13:03, por: cdb

O paquistanês-americano detido sob suspeita de tentar detonar um carro-bomba na Times Square disse a investigadores que ele agiu sozinho e negou qualquer ligação com grupos radicais no Paquistão, país onde nasceu, de acordo com uma autoridade ligada à investigação.

Faisal Shahzad, de 30 anos, foi detido na noite de segunda-feira sob suspeita de ter comprado o veículo usado para transportar uma bomba, feita de combustível e fogos de artifício, até a Times Square na noite de sábado. Se a bomba tivesse explodido, muitas pessoas poderiam ter morrido, segundo autoridades.

Shahzad, que recebeu a cidadania norte-americana no ano passado, foi detido às 23h45m de segunda-feira (0h45m de terça-feira no horário de Brasília) no aeroporto internacional John F. Kennedy, quando estava dentro de um avião da companhia aérea Emirates que decolaria rumo a Dubai.A Emirates informou que dois outros passageiros foram retirados do avião, mas não ficou claro se eles também estavam ligados ao incidente. Segundo uma fonte que pediu anonimato, o destino final de Shahzad era o Paquistão e ele quase conseguiu deixar o país, tendo sido detido “no último segundo”.

Shahzad visitou o Paquistão recentemente por cerca de cinco meses, retornando aos Estados Unidos em fevereiro, disseram fontes. O suspeito se apresentará em uma corte federal de Manhattan e segundo uma fonte ligada às investigações, Shahzad teria confessado que agiu sozinho.

“Esta investigação está em processo, com nossas tentativas para obter dados úteis do serviço de inteligência, e continuamos seguindo uma série de pistas”, afirmou o secretário de Justiça dos EUA, Eric Holder, em entrevista coletiva sobre a prisão do suspeito. “Mas está claro que o objetivo por trás do ato terrorista foi matar americanos”.

O suspeito em potencial teria viajado recentemente para o Paquistão. Segundo as autoridades, Shahzad reside em Connecticut e teria pago em dinheiro, há três semanas, pelo Nissan Pathfinder verde, ano 1993, que foi abandonado no sábado entre a Rua 45 e a 7ª Avenida, em pleno coração da ‘Big Apple’, com fogos de artifício, gás propano e gasolina em seu interior.

As informações foram fornecidas aos investigadores da polícia de Nova York e do FBI (polícia federal americana) pelo último proprietário registrado do carro, que teve a sua identidade preservada por não ser considerado suspeito. De acordo com a testemunha, o Pathfinder 1993 foi vendido recentemente, com pagamento em dinheiro e sem que houvesse registro formal da transação.

“Ele admitiu ter comprado o veículo, montado os dispositivos, colocado esses dentro do carro, e deixado o veículo lá e escapado do local”, disse a fonte à Reuters, sob condição de anonimato.

De acordo com as autoridades, é muito difícil que Shahzad seja o único envolvido na montagem do carro-bomba. “Com base em nossa experiência coletiva, é muito difícil acreditar que isso é algo que algúem faria sozinho. Parece difícil realizar sozinho. Ainda há muito que não sabemos”.