Suspeito da morte de Schincariol pode ser liberado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 3 de setembro de 2003 as 13:43, por: cdb

O garçom preso no dia seguinte ao assassinato de empresário José Nelson Schincariol, deverá ser solto, por falta de provas. Valdinei Sabino da Silva, de 25 anos, foi preso temporariamente no Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), em São Paulo, após ser reconhecido por um vizinho do empresário.
A prisão havia sido autorizada pelo juiz José Fernando Azevedo Minhoto, da 2ª Vara de Justiça de Itu, para investigações. Como as digitais do garçom não foram encontradas no local do crime, ele deve ser liberado.

Caso solucionado

A polícia prendeu nesta terça-feira quatro suspeitos do crime e, após interrogá-los, considerou o caso solucionado. Conforme a polícia dois acusados – Fábio Luis Siqueira e André Ricardo Claudino – teriam confessado a autoria do crime. Fábio foi o autor dos tiros disparados de um revólver calibre 38. Os dois foram encaminhados ao Deic (Departamento de Investigações Criminais), em São Paulo.

“Fui entrar na casa dele para roubar ele”, disse Fábio à polícia. No depoimento, Fábio disse que atirou no empresário porque ele reagiu, tentando arrancar a arma da mão do criminoso. Os dois assaltantes disseram à polícia que não sabiam se tratar de José Nelson Schincariol.

Além deles, outros dois homens foram presos. Um rapaz acusado de emprestar a arma do crime e outro de esconder o revólver depois do assassinato. De acordo com a polícia, os quatro agiam juntos em assaltos a residências em Itu. Os quatro responderão por formação de quadrilha e homicídio.