Suspeita de assassinato leva a pedido de investigação sobre morte de Neruda

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 1 de junho de 2011 as 03:11, por: cdb

Por Janaína Figueiredo 01/06/2011 às 00:40

Suspeita de assassinato leva a pedido de investigação sobre morte de Neruda

BUENOS AIRES – O Partido Comunista do Chile (PCC) abriu nesta terça-feira um processo na Justiça para determinar os motivos que provocaram a morte do poeta e Prêmio Nobel de Literatura Pablo Neruda, em 23 de setembro de 1973, poucos dias após o golpe de Estado que derrubou o governo de seu amigo, o presidente socialista Salvador Allende – cuja morte também está sendo investigada pelos tribunais do país e foi alvo de questionamentos pela TV estatal.

O deputado comunista Hugo Gutiérrez, um dos três congressistas que participam do processo, disse ao GLOBO que “se for necessário”, a exumação do corpo de Neruda – que era membro do PCC – será pedida, como no caso de Allende.

Apesar de a versão oficial da clínica onde estava internado Neruda indicar que o poeta, aos 69 anos, foi vítima de um câncer de próstata, nos últimos tempos surgiram depoimentos despertando suspeitas de um assassinato cometido por agentes da recém-iniciada ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

Além do mistério em torno das mortes de Allende e Neruda, a Justiça também está avançando nos casos do ex-presidente Eduardo Frei, falecido em 1982 após realizar cirurgia de hérnia de disco, e do ex-ministro socialista José Tohá, que teria se suicidado. As quatro mortes ainda representam capítulos abertos da História chilena e, em todas, o governo de Pinochet aparece como o principal suspeito.

– Já foram divulgadas resoluções judiciais que confirmam o envenenamento de Eduardo Frei – disse Gutiérrez. – A demanda de verdade e justiça continuará instalada na sociedade chilena até que todas as mortes sejam esclarecidas e todos os corpos encontrados.

O PCC decidiu recorrer à Justiça após declarações de Manuel Araya, motorista do poeta. Segundo ele, Neruda – internado na mesma clínica na qual morreria Eduardo Frei anos depois – foi envenenado por agentes secretos da ditadura com uma injeção na barriga. A denúncia foi rebatida pela Fundação Neruda, mas considerada gravíssima pelo PCC, que também recolheu o depoimento do ex-embaixador do Chile no México Gonzalo Martínez Corbalá, uma das últimas pessoas que estiveram com o poeta.

– O ex-embaixador esteve caminhando e conversando com Neruda, e segundo ele é inexplicável que a morte tenha sido provocada pelo câncer – argumentou Gutiérrez.

Com o deputado do PCC defendendo, se necessário, a exumação do corpo de Neruda, como no caso de Allende, a própria família do presidente chileno pediu que seja esclarecida sua morte – já que existem dúvidas sobre o suposto suicídio de Allende no dia em que o Palácio de La Moneda foi bombardeado pelo Exército de Pinochet.