Suposto sequestrador de avião cubano se rende aos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 1 de abril de 2003 as 20:57, por: cdb

O sequestrador do avião de uma companhia aérea cubana, que ameaçou explodir uma granada caso o avião não fosse para os Estados Unidos, se rendeu à polícia nesta terça-feira depois de a aeronave ter aterrissado na Flórida, disseram autoridades norte-americanas.

O avião, com 33 pessoas a bordo, foi escoltado para Key West por jatos militares dos Estados Unidos, após ter sido sequestrado na noite da última segunda-feira (31) em um vôo doméstico e ter passado a noite no porto de Havana em um impasse que durou 12 horas.

Esse é o segundo sequestro aéreo ocorrido em duas semanas cometido por cubanos que tentam fugir para os Estados Unidos.

O suspeito forçou o avião a deixar Cuba apesar de um alerta do maior diplomata norte-americano em Cuba. O Departamento de Estado disse para que James Carson entregasse o alerta da torre de controle do aeroporto de Havana, após Havana ter pedido a Washington para dizer ao homem que poderia ser processado se entrasse nos Estados Unidos.

O Antonov 24 da companhia Cubana de Aviación, pousou no Aeroporto Internacional de Key West pouco depois das 11h34 (13h34 em Brasília). Policiais dos EUA cercaram o avião e, sob a mira de fuzis, vários passageiros deixaram o avião com as mãos para cima e se deitaram na pista. Os homens levantavam suas blusas para mostrar que não carregavam armas e depois se deitavam sobre a pista.

Entre eles estava o suspeito sequestrador, usando uma jaqueta vermelha com a palavra “América” estampada. Ele saiu com um menino e logo foi detido, disse o porta-voz da polícia de Key West, Steve Torrence.

Autoridades norte-americanas disseram que o suspeito de 33 anos aparentemente trazia sua mulher e o filho de três anos.

“Nós não sabemos se de fato ele tinha granadas”, disse o promotor de Miami, Marcos Daniel Jimenez, acrescentando que os objetos estavam sendo examinados. “Eles podiam ser objetos falsos que pareciam ser granadas”.

Autoridades cubanas disseram que o suspeito, Adelmis Wilson, tem registro criminal e que a polícia encontrou granadas em sua casa em Isla de la Juventud. Os outros passageiros e a tripulação serão interrogados pelas autoridades norte-americanas.

O governo cubano afirmou que o sequestro aconteceu na noite da última segunda-feira (31), durante um vôo doméstico que havia partido da Isla de la Juventud. Originalmente, o avião teria 46 passageiros e tripulantes a bordo. O sequestrador ameaçava explodir uma granada se o vôo não fosse desviado para a Flórida.

Mas o avião não tinha combustível suficiente para esse trajeto, e por isso pousou no aeroporto de Havana, que foi fechado, segundo informações oficiais. Após 12 horas de impasse, o sequestrador permitiu que vários passageiros, inclusive mulheres e crianças, deixassem o local, saltando por uma porta traseira. O avião foi reabastecido e decolou novamente pouco antes das 11h (13h em Brasília).