Suposto mentor do 11/9 será julgado em Guantánamo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 4 de abril de 2012 as 12:41, por: cdb

Suposto mentor do 11/9 será julgado em Guantánamo

WASHINGTON, 4 Abr (Reuters) – O acusado de ser o autor intelectual dos ataques de 11 de setembro, Khalid Sheikh Mohammed, e outros quatro supostos cúmplices foram encaminhados na quarta-feira para julgamento em um tribunal para crimes de guerra em Guantánamo, informou o Pentágono. Pesam sobre eles acusações que poderão levá-los à pena de morte.

Os cinco são acusados de planejar e executar os ataques de 11 de setembro de 2011, com aviões sequestrados, em Nova York, Washington e Shanksville, no Estado da Pennsylvania, que resultaram na morte de 2.976 pessoas.

Eles são acusados de terrorismo, sequestro de avião, conspiração, homicídio em violação da lei da guerra, entre outros, e foram indicados para um tribunal militar capital – o que significa que poderão ser condenados à morte, caso condenados, informou o Pentágono.

A decisão de levar o caso a uma comissão militar indica que os cinco serão acusados perante um juiz militar na Estação Naval da Baía de Guantánamo em Cuba dentro de 30 dias.

O encaminhamento das acusações ocorre um ano depois de o governo do presidente Barack Obama ter abandonado os esforços para julgar Mohammed e seus quatro cúmplices em uma corte civil, como havia prometido, e depois levar o caso a um tribunal militar.

O procurador-geral Eric Holder culpou os parlamentares pela reviravolta política, dizendo que a decisão deles de bloquear o financiamento para processar os suspeitos pelo 11 de setembro em um tribunal de Nova York amarrou as mãos do governo e o forçou a transferir o caso a uma corte militar.

A União Americana pelas Liberdades Civis (Aclu) condenou na quarta-feira a decisão de seguir com o julgamento militar.

“O governo Obama está cometendo um erro terrível ao promover os julgamentos mais importantes do terrorismo de nosso tempo em um sistema de Justiça de segunda linha”, disse o diretor executivo da Aclu, Anthony Romero, em um comunicado.

“Qualquer que seja o veredicto das comissões militares de Guantánamo, ele será manchado por um processo injusto e pelas políticas que retiraram erroneamente esses casos das cortes federais, que julgaram de forma bem-sucedida e segura centenas de casos de terrorismo”, afirmou ele.

(Reportagem de David Alexander e Jane Sutton)

Reuters