Superávit comercial do Brasil com EUA triplicou em 2002

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 20 de fevereiro de 2003 as 15:33, por: cdb

O superávit brasileiro em seu comércio de bens com os Estados Unidos praticamente triplicou em 2002, alcançando os 3,403 bilhões de dólares, informou hoje, quinta-feira, o Departamento de Comércio.

Dezembro foi um bom mês para os exportadores brasileiros que conseguiram 567 milhões de dólares de superávit depois dos 205 milhões de dólares em novembro.

Em todo o ano de 2002, a balança comercial do Brasil com os EUA foi favorável em 3,403 bilhões de dólares, quase triplicando os 1,413 bilhão de dólares do ano anterior.

Essa tendência foi seguida pelo resto da América Latina e Caribe, com um crescimento de 40 por cento, atingindo a marca dos 55,104 bilhões de dólares de superávit, segundo o Departamento de Comércio norte-americano.

Em dezembro, a cifra favorável aos exportadores latino-americanos e caribenhos foi de 4,597 bilhões de dólares, bem acima dos 4,286 bilhões do mês anterior.

O Departamento de Comércio anunciou que o déficit comercial dos Estados Unidos aumentou em 21 por cento no último ano depois de atingir em dezembro a cifra sem precedentes de 44,2 bilhões de dólares.

O déficit no comércio de bens e serviços dos EUA em 2002 se elevou a 435,2 bilhões de dólares, e superou amplamente a marca dos 358,29 bilhões de dólares atingida um ano antes.

Individualmente, o superávit do México em seu comércio de bens com os EUA caiu de 2,892 bilhões de dólares em novembro para 2,753 bilhões em dezembro, e em todo 2002 foi de 37,202 bilhões de dólares, comparado com um superávit de 30,041 bilhões de dólares em 2001.

A Argentina elevou seu superávit de 176 milhões de dólares em novembro para 180 milhões de dólares e terminou o ano com uma cifra favorável de 1,595 bilhão de dólares, em contraste com o déficit de 907 milhões de dólares em seu comércio de bens com os EUA em 2001.

O superávit da Colômbia em seu comércio de bens com os EUA desceu de 229 milhões de dólares em novembro para os 195 milhões de dólares e ainda assim o país terminou o ano com uma cifra favorável de 2,018 bilhões, comparado com um superávit de 2,127 bilhões de dólares do ano anterior.

A instabilidade política e os transtornos em sua indústria petroleira fizeram com que a Venezuela visse um redução de seu superávit comercial de bens com os EUA, que passou de 967 milhões de dólares em novembro para 794 milhões em dezembro.

Em todo 2002 os venezuelanos tiveram um superávit em seu comércio de bens com os EUA que chegou nos 10,662 bilhões de dólares, comparado com os 9,608 bilhões de dólares em 2001.