Sucessor escolhido por Chávez para comandar Venezuela gera reações da oposição

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 10 de dezembro de 2012 as 06:11, por: cdb

De Monica Yanakiew*
Correspondente da EBC na Argentina

Buenos Aires – A escolha, pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, do vice-presidente e chanceler Nicolás Maduro como seu sucessor é analisada por especialistas como a busca pela manutenção dos ideais e da coesão da sociedade venzuelana. A oposição, liderada por Enrique Capriles, que perdeu as eleições para Chávez, movimenta-se para ganhar espaço e pressionar.

O presidente da Datanalises, instituto de análise política e econômica na Argentina, Luis Vicente Leon, disse à Agência Brasil que Chávez
“sabe” usar seu carisma para assegurar os planos políticos. “Chávez sabe que é melhor consolidar o poder em vida, quando ainda pode usar seu carisma para unir o povo em torno de seu candidato. Ele escolheu Maduro porque o acompanha  há anos e tem uma posição moderada, entre os dois extremos do ‘chavismo’”, acrescentou.

Pela primeira vez, desde que Chávez chegou ao poder, em 1999, a oposição se uniu em torno de um candidato: Enrique Capriles, que
conquistou 44% dos votos. Após o anúncio de Chávez sobre a escolha de Maduro como sucessor, Capriles levantou dúvidas sobre a validade legal da decisão.

“Que fique bem claro: na Venezuela há sucessão. Isso não é Cuba, nem uma monarquia em que sobe ao trono aquele que foi designado pelo rei. Não. Aqui, na Venezuela, quando uma pessoa se afasta de um posto, a última palavra sempre será do nosso povo”, disse Capriles.

“Para a oposição, é fundamental que Capriles seja reeleito governador de Miranda porque vai se consolidar como alternativa política ao chavismo”, disse Leon. “Se ele perder, para a oposição vai ser mais difícil enfrentar Maduro, que é jovem, tem experiência de governo e representa a ala moderada do chavismo”.

Anteontem (8), Chávez surpreendeu ao anunciar, em cadeia nacional de televisão, que fará nova cirurgia para a retirada de um tumor maligno na mesma região em que já foi operado, a área pélvica. No discurso, ele indicou que pode se ver obrigado a abandonar a Presidência da República da Venezuela. Mas apelou para que apoiem Maduro, que considera a pessoa ideal para o cargo.

Reeleito, Chávez tem a posse marcada para o próximo dia 10. Mas se ele tiver que abandonar o cargo, mesmo após assumi-lo, novas eleições
presidenciais terão que ser convocadas. Maduro só pode ser presidente se vencer nas urnas.

Ex-motorista de ônibus e líder sindical, Maduro, que desempenha dupla função no governo – vice-presidente, indicado por Chávez, e ministro
das Relações Exteriores da Venezuela – acompanha o presidente há seis anos.

*Colaborou Renata Giraldi

Edição: Graça Adjuto