STF estuda habeas corpus da mulher de Beira-Mar

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 17 de dezembro de 2007 as 18:45, por: cdb

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski analisa desde a última semana um pedido de liminar em habeas corpus movido pela defesa da advogada Jacqueline Alcântara de Moraes, 32 anos, mulher do traficante Fernandinho Beira-Mar. Em liminar, a defesa pede que ela permaneça solta enquanto não for julgada e, no mérito, pede que a prisão preventiva decretada contra ela seja revogada.

No último dia 22 de novembro, a Polícia Federal desencadeou uma operação na qual prendeu Jacqueline e mais dez pessoas suspeitas de integrar uma quadrilha de tráfico internacional de drogas e armas, lavagem de dinheiro, contrabando e homicídios. O grupo seria liderado pelo próprio Beira-Mar, preso desde 2001 – parte em unidades de segurança máxima.

Segundo a PF, depois da prisão do traficante, Jacqueline assumiu as finanças da quadrilha. Seis meses atrás, com o desaparecimento do advogado João José de Vasconcelos Kolling, ela teria assumido o segundo posto na hierarquia do grupo, passando a cuidar de acordos com fornecedores e de conferir materiais.

Nos autos, ainda segundo o STF, a defesa de Jacqueline questiona o fato de a prisão ter sido decretada ainda na fase do inquérito e alega que o prazo para o oferecimento da denúncia foi excedido. O recurso contesta uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que negou, liminarmente, um pedido similar.

Jacqueline está presa preventivamente em uma penitenciária feminina do Paraná.