Soldados britânicos são acusados por assassinato de católicos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 17 de abril de 2003 as 08:50, por: cdb

Um braço do serviço de espionagem do Exército britânico e alguns policiais da Irlanda do Norte ajudaram ativamente um grupo unionista paramilitar a assassinar católicos no final da década de 80, de acordo com uma investigação policial sobre o assunto.

Segundo o correspondente da BBC na Irlanda do Norte, Denis Murray, as alegações serão feitas em um relatório que será apresentado nesta quinta-feira.

O grupo que investiga o caso, chefiado pelo policial londrino John Stevens, deve informar ainda que o serviço de espionagem militar ajudou a prolongar o conflito na Irlanda do Norte.

Os investigadores alegaram que seu trabalho foi dificultado por policiais e que provas materiais relacionadas com as acusações foram escondidas e, em alguns casos, destruídas.

Incêndio criminoso

Eles ainda alegaram que o incêndio que atingiu os escritórios do grupo em 1990 foi criminoso, e que ao longo da investigação eles foram espionados e traídos por colegas da polícia.

O caso vem sendo investigado desde 1989.

O alvo central da investigação é o assassinato de um conhecido advogado católico, Pat Finucane, que foi morto a tiros por integrantes da Associação de Defesa de Ulster (ADU) na porta de sua casa, em Belfast, na Irlanda do Norte.

A família de Finucane sempre disse acreditar que as forças de segurança tiveram algum envolvimento com seu assassinato e disse que uma investigação judicial completa seria a única forma de lidar com o assunto.

O filho de Pat Finucane, Michael, disse que a conspiração ocorreu porque o governo queria certas pessoas “fora do caminho”, como forma de controlar os conflitos entre católicos e protestantes.