Sobe para 640 o número de mortos no terremoto na capital da Argélia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 22 de maio de 2003 as 08:54, por: cdb

Equipes de resgate foram enviadas a vários bairros de Argel, a capital da Argélia, e a cidade vizinhas em busca de sobreviventes entre escombros, horas depois de um forte terremoto, de 6,7 graus, atingir a região, matando pelo menos 640 pessoas e ferindo cerca de cinco mil.

O tremor causou pânico em Argel, onde os moradores correram para as ruas, em meio a desmoronamentos de prédios, que soterraram famílias inteiras, segundo o primeiro-ministro Ahmed Ouyahia.

Os hospitais na capital e nas cidades mais atingidas pelo sismo estão encontrando muitas dificuldades para atender os feridos.

A província de Boumerdes, perto de Argel, foi a mais atingida. Os hospitais ficaram abarrotados e muitos feridos receberam atendimento ao ar livre.

Cerca de metade das vítimas foi em Argel, onde pelo menos 57 prédios ruíram.

– Está sendo muito difícil; o terremoto atingiu muitos lugares – disse um médico.

Em Rouiba, uma cidade relativamente próspera, a 30 quilômetros da capital, a cena era também de devastação.

– Eu nunca viu um desastre como esse em minha vida – disse um morador, Yazid Khelfaoui, que perdeu sua mãe no desastre.

O terremoto ocorreu às 19h44 de quarta-feira. A televisão nacional mostrou imagens de dezenas de corpos no meio de destroços, alguns deles de crianças.

Em Boumerdes, jornalistas relataram casos em que pessoas pularam das janelas de seus apartamentos numa tentativa de se salvar de desmoronamentos.

– É um momento trágico. É um infortúnio que atingiu toda a Argélia -afirmou o premier Ouyahia.

As autoridades aconselharam a população a deixar suas casas, tomando o cuidado de desligar o gás e de não usar elevadores.

“Permaneçam calmos”, foi o apelo mais ouvido no país, na manhã desta quinta-feira.

Cerca de 200 pequenos tremores, subseqüentes ao sismo da noite de quarta-feira, ocorreram no norte da Argélia em um intervalo de duas horas.

O presidente Abdelaziz Bouteflika, visivelmente chocado, visitou hospitais em Argel, onde tentou confortar os feridos.

Nesta quinta-feira, a França enviou para sua ex-colônia uma equipe de resgate, de 120 pessoas.

O presidente Jacques Chirac, que em março foi recebido com grande festa popular em Argel, enviou uma mensagem de solidariedade aos argelinos.

O epicentro do terremoto, de acordo com o Centro de Informações sobre Terremotos, dos Estados Unidos, foi 70 quilômetros a leste de Argel.

A maioria dos 32 milhões de habitantes da Argélia vive no norte do país, longe do deserto.

Esse foi o pior terremoto no país desde 1980, quando um sismo de 7,7 graus matou pelo menos 4.500 pessoas, no oeste do país.

Em 1994, cerca de 150 mil pessoas ficaram desabrigadas em conseqüência de um tremor que ocorreu no noroeste, causando mais de 170 vítimas fatais.