Sobe para 140 o número de mortos em Moscou

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 26 de outubro de 2002 as 15:48, por: cdb

Sobe para 140 o número de pessoas mortas no resgate de mais de 700 reféns em um teatro de Moscou, segundo um último levantamento divulgado pelo governo russo. Das vítimas fatais, 90 são civis e 50, militantes tchetchenos. A operação teve início neste sábado pouco antes de 6h (23h de sexta-feira, em Brasília), quando os rebeldes começaram a matar os reféns como resposta ao não-cumprimento de sua exigência: a retirada russa do território da Chechênia.

Os tiros e algumas explosões deflagraram a operação, fazendo com que forças especiais russas utilizassem gás paralisante e invadissem o teatro.

Três militantes foram presos pelo FSB (serviço secreto russo) e outros dois teriam escapado, misturando-se aos civis. Centenas de pessoas foram levadas a hospitais de Moscou – algumas em estado grave.

Apesar de o alto número de mortos, a ação foi considerada bem-sucedida pelos políticos do país.

Logo após o resgate, o vice-ministro do Interior, Vladimir Vasiliev, disse que sentia pela morte dos reféns, mas que “mais de 750 pessoas” foram salvas.

Já o presidente Vladimir Putin, em pronunciamento à nação, pediu desculpas aos parentes das vítimas. Porém, segundo ele, a crise teria mostrado que a Rússia “não pode ser forçada a se ajoelhar”.

“Em nenhum lugar do mundo as pessoas podem se sentir seguras até que ele (o terrorismo) seja derrotado. Mas ele deve ser derrotado. E será derrotado”, afirmou Putin.

Longa crise

Em dezembro de 1994, a Rússia deu início à guerra contra a república da Tchetchênia. O conflito durou 21 meses, deixou milhares de mortos e terminou com a retirada dos russos. A Tchetchênia passou a gozar de ampla autonomia.

Em setembro de 1999, o então primeiro-ministro russo Vladimir Putin -hoje presidente -, ordenou nova ofensiva militar contra a Chechênia, considerada uma república rebelde, alegando que ela abrigaria rebeldes islâmicos que pretendiam estabelecer um Estado fundamentalista no Daguestão, república russa vizinha à Chechênia.

Após quase três anos de combates, Moscou domina a maior parte da região, incluindo a capital, Grosni, e as principais cidades.