Síria exige novas garantias para retirar tropas das cidades

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 8 de abril de 2012 as 08:29, por: cdb

Síria exige novas garantias para retirar tropas das cidades

Por: Da agência Reuters

Publicado em 08/04/2012, 11:25

Última atualização às 11:06

Tweet

Beirute – A Síria exigiu hoje (8) garantias por escrito de que os insurgentes vão renunciar à luta armada antes de retirar suas tropas das cidades do país, como tinha acordado nos termos de um plano de paz. A medida levantou dúvidas sobre uma trégua entre as duas partes, marcada para começar nesta semana.

O aumento da violência já levantou questões sobre o cessar-fogo. Ativistas da oposição afirmaram que dezenas de pessoas foram mortas e feridas neste domingo, quando as forças leais ao presidente Bashar al-Assad atacaram uma região dominada por rebeldes perto da fronteira com a Turquia.

O enviado da ONU (Organização das Nações Unidas) e da Liga Árabe, Kofi Annan, que tenta encerrar um conflito que já matou mais de 9.000 pessoas desde o ano passado, afirmou que os últimos atos violaram as garantias que recebeu e disse para Damasco manter suas promessas. O acordo que Annan negociou exige que a Síria inicie a retirada das tropas das cidades até terça-feira, para que a trégua tenha início 48 horas depois.

Além de enfatizar que tal medida aconteceria, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Jihad Makdissi, disse em comunicado que a Síria também queria garantias por escrito. “A Síria tem um plano de retirada militar já designado e sendo implementado, mas finalizá-lo e atingir o objetivo principal definitivamente exige garantias do outro lado e daqueles que os apoiam, para que cumpram os termos de paz”, afirmou. A Síria também quer garantias de que o Catar, a Arábia Saudita e a Turquia, que têm criticado Assad, não financiem os grupos armados.

Annan não citou as novas exigências sírias em comunicado divulgado por sua equipe em Genebra. Ele expressou estar chocado com “o aumento da violência e atrocidades”. Cada lado acusa o outro de intensificar a ofensiva antes da anunciada trégua. “Assim que nos aproximamos do prazo de 10 de abril, terça-feira, eu lembro o governo sírio sobre a necessidade de implementação total de suas promessas e reforço que o aumento recente da violência é inaceitável”, disse.

Dezenas de pessoas foram mortas e feridas quando os tanques de Assad atacaram uma região na província rebelde de Idlib, perto da fronteira com a Turquia, disseram ativistas da oposição Combatentes do Exército Livre da Síria foram rendidos no vilarejo de Al-Bashiriya, acrescentaram os ativistas. Uma grande ofensiva do Exército sírio para tomar de volta regiões rebeldes de Idlib matou e feriu centenas de pessoas nos últimos dez dias. Milhares de sírios fugiram para a Turquia.

Autoridades sírias ainda não comentaram os atos. O governo impôs duras restrições no acesso da imprensa à Síria, tornando difícil verificar as informações de testemunhas.