Silvio Berlusconi pede a ‘urgente democratização’ do Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 15 de novembro de 2003 as 08:34, por: cdb

O atentado de quarta-feira ao quartel dos militares italianos no Iraque “voltou às atenções do mundo para a necessidade de contribuir com a democratização” deste país, disse nesta sexta-feira o premier italiano, Silvio Berlusconi.

Berlusconi sustentou que está em jogo a “criação do que seria a primeira democracia na região”.

O atentado contra o quartel italiano em Nassíria mostra a “necessidade de se construir de modo urgente um sistema de autogoverno que possa assumir a responsabilidade da administração, criando uma democracia”, ressaltou o premier.

O ministro de Defesa, Antonio Martino, afirmou que, no seu ponto de vista, a missão italiana no Afeganistão era mais perigosa que a do Iraque.

– Quando se fala em risco – afirmou – se indica o grau de gravidade e de probabilidade. A gravidade da ação era grande, mas a probabilidade verificada, era baixa. Por isto, consideramos que o risco era baixo – concluiu Martino.

Entretanto, um novo contingente de 75 membros das forças italianas, abandonou nesta sexta-feira seu país rumo ao Iraque, segundo o quartel-general desse corpo militar.

Outros 50 militares partiram nesta quinta-feira, como já era previsto.

A Itália decidiu manter sua presença militar no Iraque, apesar das reclamações da oposição e de parte da opinião pública que querem o retorno dos soldados.

O atentado suicida que na quarta-feira deixou 27 mortos em Nassíria (sul do país ocupado), entre eles, nove iraquianos e 18 italianos, dos quais 16 eram militares. Outra vítima, a 19ª, um jovem soldado italiano, está em coma.