Setor de telemarketing é líder nas ofertas de emprego no país

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 7 de fevereiro de 2010 as 14:20, por: cdb

Com cerca de três mil vagas disponíveis no Centro de Apoio ao Trabalhador (CAT), na capital paulista, o setor de telemarketing é um dos que mais cresce a cada ano, liderando a lista das ofertas de emprego, afirmou o gerente do CAT regional norte, André Bucater.

Segundo ele, isso ocorre porque o Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) se tornou uma necessidade desde que as empresas passaram a atender o consumidor em tempo real para poder avaliar o que ocorre com seus produtos e serviços.

– Isso está acontecendo com muitas empresas atualmente. Eles estão contratando muita gente não só para o SAC como para vendas, promoções e cobranças. E a procura pelas vagas também é grande porque não se exige experiência em carteira, o que faz com que a maior procura seja pelos jovens no seu primeiro emprego. Normalmente é preciso ter conhecimento em informática, objetividade, clareza na comunicação, facilidade para abordagem com o cliente, simpatia e determinação.

Segundo o diretor de Comunicação do sindicato dos Trabalhadores em Telemarketing, Ronaldo Lopes, o setor emprega atualmente cerca de 850 mil trabalhadores em todo o território nacional. Até o fim deste ano este número deve chegar a 1 milhão a 1,2 milhão. Só no estado de São Paulo são 380 mil funcionários e na Região Metropolitana da capital 250 mil.

Lopes explicou que 70% dos empregados no telemarketing têm de 18 a 26 anos e 76% são mulheres. Ele destacou que o setor agrega vários segmentos e por isso está sempre aberto também para outras faixas etárias, incluindo mulheres acima dos 40 anos.

– Há muitas mulheres nessa faixa etária que estão na área porque depois de ficarem afastadas do mercado de trabalho resolveram ou precisaram voltar a exercer uma atividade remunerada.

De acordo com ele, o setor do telemarketing tem a especificidade de não ter nenhuma espécie de preconceito ao selecionar seus trabalhadores.

A rotatividade é outro fator presente no telemarketing. O chamado turno over, praticado pelas empresas, serve para estimular os funcionários, ou seja, aqueles que produzem continuam, os que não atingem os objetivos acabam sendo eliminados.

– As empresas pregam que quem vender mais continua na empresa, quem não atingir as metas acaba sendo substituído pela mão de obra que há no mercado.

 Ao mesmo tempo a média de permanência de um funcionário em uma empresa de telemarketing varia de três a sete anos.

As menores empresas são as que pagam as melhores médias salariais, um dos motivos que contribui para a rotatividade de funcionários. Em uma empresa de maior porte o salário chega a R$ 750,00. Já naquelas com até 100 funcionários os ganhos podem chegar a R$ 1.200.

– Os trabalhadores acabam adquirindo experiência nas grandes empresas e migram para as pequenas, por conta das melhores condições.

Apesar de destacar que a atividade é interessante por permitir o contato direto com o público, Lopes afirmou que o trabalho de telemarketing gera estresse ao funcionário por causa das condições nem sempre boas e, principalmente, pelo assédio praticado contra o trabalhador.

– Embora tenhamos conseguido instituir o descanso, muitas empresas insistem em controlar a ida do trabalhador ao banheiro por exemplo. Embora seja um setor no qual a tecnologia é de ponta, as relações com o trabalhador ainda estão atrasadas.