Setor de serviços na Europa começa a sair da crise, mas ainda demite

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 5 de outubro de 2009 as 12:49, por: cdb

O setor de serviços da zona do euro expandiu-se pela primeira vez em 16 meses em setembro, mas as demissões aumentaram no mês, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira. O índice Markit produzido com cerca de 2 mil empresas do setor subiu para 50,9 em setembro, ante 49,9 em agosto. Foi o maior patamar desde abril de 2008. O dado superou a linha de 50 que divide o crescimento da contração pela primeira vez desde maio de 2008. O componente de emprego, por outro lado, caiu para 45,6 no mês passado, contra 47,8 no anterior.

Na zona do euro, as vendas no varejo caíram menos que o esperado em agosto na comparação mensal, devido a uma recuperação no setor de alimentos. A queda foi de 0,2% ante julho. Na comparação com agosto de 2008, as vendas declinaram 2,6%, informou a agência de estatísticas Eurostat nesta segunda-feira. Economistas consultados pela agência inglesa de notícias econômicas Thomson/Reuters previam uma queda mês a mês de 0,5%. Na comparação anual, o dado ficou em linha com o esperado.

As vendas de Alimentos, bebidas e fumo aumentaram 0,5% em agosto ante julho, depois de caírem por três meses seguidos.

Otimismo

Na Grã-Bretanha, a atividade no setor de serviços cresceu no maior ritmo em 2 anos em setembro, quando as empresas mostraram o maior otimismo sobre os próximos 12 meses desde abril de 2007. O índice Markit/Instituto de Gestão de Fornecimento aumentou para 55,3 no mês passado, contra 54,1 em agosto, marcando o quinto mês seguido acima da marca de 50 que divide a contração do crescimento.

O componente de expectativas subiu para 75,0 em setembro, contra 72,3 em agosto. As empresas citaram um melhor cenário econômico. O de novas encomendas teve a maior alta em 19 meses, mas o setor continuou demitindo, pelo 17º mês seguido.