Servidores vão decidir se entram em greve contra PLP 9

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 23 de março de 2003 as 10:16, por: cdb

Os servidores públicos realizam neste domingo uma plenária nacional para colocar em votação uma greve contra a aprovação do PLP 9 – que unifica o teto de benefícios dos setores público e privado e cria a complementação por meio de fundos de pensão.

Algumas categorias, como os professores universitários, já decidiram entrar em greve caso o PLP 9 seja colocado em votação. A aprovação foi aprovada durante assembléia realizada pelo Andes (Sindicato Nacional dos Docentes de Ensino Superior).

Segundo representantes dos professores universitários, o PLP 9 é um “arremedo de reforma” e não soluciona o problema da Previdência.

Nesta semana, afirmou que entre as diretrizes da reforma da Previdência estão a implantação de um sistema universal para todos os trabalhadores, com valor estipulado do piso e do teto de benefícios, com criação de um sistema de planos complementares.

Outro indicativo de que o governo não pretende abrir mão do PLP 9 é a Carta de Brasília – conjunto de diretrizes para as reformas da Previdência e tributária -, elaborada durante a reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os 27 governadores de Estado nos dias 21 e 22 de fevereiro. O documento prevê a aprovação do PLP 9.

Segundo o relator da reforma da Previdência, o deputado federal José Pimentel (PT-CE), o PT já aprovou em 1995 uma resolução que previa um modelo previdenciário nos moldes do PLP 9.

“A bancada não tem motivo para divergir da aprovação do PLP 9. O PT sempre foi a favor de um regime único e da complementação dos benefícios”, disse Pimentel.