Servidores mantëm decisão de iniciar greve a partir desta quarta-feira

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 21 de agosto de 2001 as 18:19, por: cdb

Os líderes das entidades sindicais reagiram com irritação à proposta do governo de recomposição dos salários dos servidores públicos. Segundo integrantes da Confederação Nacional dos Trabalhadores dos Serviços Públicos e do Sindicato dos Servidores Públicos de Brasília (Sindsep), que representam cerca de 450 mil servidores, a intenção de iniciar a greve geral amanhã está mantida.

– Os servidores não entenderam nada dessa proposta do governo. A decisão da greve está mantida – disse o secretário-geral da Confederação, José Milton.

Para o secretário-geral-adjunto do Sindsep, Cláudio Santana, a proposta do governo é quase uma ofensa aos servidores.

– O que o governo está fazendo é uma provocação, um achincalhe à categoria – disse.

Segundo Santana, os reajustes oferecidos pelo governo estão muito aquém das perdas acumuladas pelos servidores nos últimos sete anos, de 75,48%. Ele disse ser inaceitável a sugestão de criação de gratificação por desempenho. Isso, para ele, levaria os servidores públicos a serem avaliados por empresas de consultorias privadas para a partir daí terem direito a algum reajuste.

– Isso nós não vamos aceitar. Os servidores estão decididos também a concentrar o movimento em setores estratégicos, como alfândegas de portos e aeroportos, vigilância sanitária, hospitais e delegacias Regionais do Trabalho.

Caso a estratégia dê certo, a paralisação das alfândegas pode inviabilizar boa parte das importações e exportações brasileiras.

– Estamos procurando alguns setores estratégicos para mostrar que somos importantes para o funcionamento do Estado – afirmou José Milton.