Servidores de SP se mobilizam contra teto de aposentadorias

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 8 de abril de 2003 as 14:01, por: cdb

Servidores federais de várias categorias iniciaram na manhã desta terça-feira, em São Paulo, uma série de mobilizações para marcar posição contra a votação do PL-9, projeto que unifica o teto das aposentadorias dos setores público e privado.

Segundo as lideranças do funcionalismo, a aplicação do PL-9 causará prejuízo aos servidores públicos federais, ao contrário do que tem dito o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A coordenação do movimento paulista está com o Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Estado de São Paulo (Sintrajud).

“Estamos fazendo uma paralisação de advertência, por algumas horas, em relação ao PL-9 e também contra a forma que estão sendo conduzidas as conversações sobre o reajuste salarial do funcionalismo”, disse Demerson Dias, coordenador do Sintrajud e da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério Público da União (Fenajufe).

Apesar do ato de protesto ser unificado, os centros de paralisação são diferentes, nos vários prédios do funcionalismo na capital e no interior do Estado. Dias não soube dizer quantos servidores nem quantos órgãos estão participando da paralisação.

“Na verdade, o eixo da nossa reivindicação é mais amplo, engloba a campanha salarial. Temos uma mesa de discussão montada com o governo federal, já nos reunimos duas vezes, além do encontro com o ministro da Previdência, Ricardo Berzoini, na último dia 25”, disse Dias. “O problema é que a questão do PL-9 está passando ao largo da nossa discussão, assim como o reajuste, que o governo tem acenado com 1% . E como nós discordamos de como o governo federal está levando todo esse debate da reforma da Previdência, decidimos fazer a paralisação”.

Dias disse também que já foram contatados representantes dos servidores públicos estaduais e municipais para a realização de um movimento único de paralisação. “A receptividade a nossa proposta foi boa, mas um obstáculo é a dinâmica de cada categoria”, disse Dias.

Ainda em relação à greve dos servidores federais, hoje duas agências do INSS ficaram fechadas na capital e três com atendimento parcial. No interior, as agências de São Caetano e de São Bernardo também estão fechadas. No total, são 129 agências do INSS no interior e 26 na capital.