Serviços de inteligência deixam a desejar, diz Pentágono

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 5 de abril de 2003 as 21:04, por: cdb

Militares e outros funcionários norte-americanos asseguraram que o trabalho dos serviços de inteligência dos Estados Unidos no Iraque “deixa muito a desejar” em um momento “crucial” para as tropas da coalizão.

As principais queixas dos militares são em relação à CIA. Segundo eles, a agência não contribuiu com informações sobre o paradeiro de Saddam Hussein, seu círculo íntimo e os supostos arsenais de armas de destruição em massa.

Apesar de a CIA ter lançado, há tempos, raízes profundas em Bagdá com uma rede de informações, um funcionário do Pentágono qualificou de débil o trabalho que os serviços secretos norte-americanos realizam no Iraque. “As unidades operativas não recebem indicações suficientes sobre os movimentos dos dirigentes do regime, o que reduz o impacto da campanha militar”, disse um funcionário citado pelo jornal Los Angeles Times.

“Ninguém nos diz onde podem estar os membros do governo iraquiano ou está em condições de dizer quais os edifícios podem ser bombardeados”, assegurou uma fonte. Para tentar amenizar as críticas, o senador Pat Roberts, integrante do Comitê de Inteligência do Senado, reconheceu que encontrar Saddam no Iraque “é uma tarefa quase impossível”.

A informação dos espiões americanos provém de um pequeno grupo, talvez uma dúzia ou menos, de informantes iraquianos que operam em Bagdá. A contra-espionagem iraquiana, no entanto, parece em condições de intervir nas redes de informantes norte-americanas, a ponto de ter eliminado três importantes colaboradores dos serviços secretos norte-americanos em Bagdá.

O senador Roberts também reconheceu a “fragilidade” do trabalho de inteligência, mas destacou que nestes casos “é mais fácil dizer do que fazer”. Até agora, segundo o Los Angeles Times, os informes fornecidos pela inteligência norte-americana se limitam a mapas detalhados de Bagdá e uma análise da distribuição demográfica, para permitir agilidade na movimentação das tropas.