Serviço Secreto alemão alerta para uma segunda geração de terroristas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 17 de maio de 2003 as 20:23, por: cdb

O serviço secreto alemão alertou para o perigo de novos atentados terroristas, não apenas no norte e leste da África, mas também na Arábia Saudita e Afeganistão. De acordo com um relatório sigiloso, parcialmente divulgado pelo jornal Welt am Sonntag, a organização terrorista Al Qaeda se reestruturou e está apta a atuar simultaneamente em diversos lugares do mundo.

– Seu potencial de recrutamento e seu círculo de adeptos na Arábia Saudita, no Iêmen, nos Emirados Árabes e no Kuwait ainda estão intactos – cita o jornal, remetendo-se ao relatório.

De acordo com o documento, Osama bin Laden continua vivendo numa região dificilmente acessível na fronteira do Paquistão e a atual onda de terror é comandada por uma nova geração de líderes.

Nova geração. Foi assim que o porta-voz da Al Qaeda, Thalet Bin Aziz, descreveu a nova organização árabe “Al Muhawidun”, até então desconhecida. Ela segue a doutrina da Al Qaeda, mas seus integrantes – todos jovens – não mantém contato com Bin Laden e não são conhecidos da organização antecessora. Desta forma, o depoimento de prisioneiros membros da Al Qaeda pouco adiantará para o esclarecimento dos novos atentados.

Em sua análise, o Serviço Secreto alemão compara o desenvolvimento das organizações de terror islâmicas com a trajetória da Fração do Exército Vermelho (RAF), o grupo terrorista alemão de extrema-esquerda que se radicalizou ainda mais após a prisão da primeira geração, na década de 70. O exemplo da RAF mostra que os atentados mais graves foram cometidos pela segunda geração.

O Serviço Secreto alemão também alerta para o perigo de novos atentados no Afeganistão, sobretudo contra o acampamento da tropa internacional de proteção ISAF, onde 2400 soldados alemães estão estacionados. De acordo com a análise de armas e explosivos apreendidos, tudo indica que alvos norte-americanas no Paquistão sejam os próximos na mira dos terroristas.

O governo alemão condenou severamente a série de atentados em Marrocos. O ministro do Exterior, Joschka Fischer, declarou que a notícia dos atentados de Casablanca foi recebida com profunda indignação pelo governo em Berlim. Para Fischer, os novos atentados revelam que a comunidade internacional não pode ceder na luta contra o terrorismo.

Na cidade marroquina de Casablanca, quatro atentados cometidos simultaneamente na noite de sexta-feira deixaram pelo menos 40 mortos. Os EUA responsabilizaram a Al Qaeda pelos atos de terror. As bombas atingiram um centro comunitário judaico, o consulado belga, um hotel e um restaurante espanhol.