Serviço Apple Music é apresentado na China

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de setembro de 2015 as 12:09, por: cdb

Por Redação, com Reuters – de Pequim:

A Apple lançou o serviço Apple Music junto com o iTunes Movies e o iBooks na China e disse que os serviços de streaming de música baseados em nuvem funcionarão nos aparelhos com sistema operacional Android no outono do Hemisfério Norte.

A Apple oferecerá aos assinantes do Apple Music acesso a um vasto arquivo de músicas por 10 iuanes (US$ 1,57) por mês após uma degustação inicial de três meses, disse a empresa em comunicado.

O anúncio ocorre no momento em que a fabricante de iPhone tem tido problemas para dar segurança aos acionistas sobre seu negócio na China.

A Apple lançou o serviço Apple Music junto com o iTunes Movies e o iBooks na China
A Apple lançou o serviço Apple Music junto com o iTunes Movies e o iBooks na China

Os consumidores chineses são essenciais para ampliar a demanda por iPhones e uma queda no mercado de ações e a recente desvalorização do iuane promovida por Pequim assustou acionistas da Apple, já preocupados com a desaceleração da segunda maior economia do mundo.

A Apple Music na China terá músicas de artistas locais como Eason Chan, Li Ronghao, JJ Lin e G.E.M., assim como diferentes artistas internacionais, disse a companhia.

Os assinantes também poderão alugar ou comprar filmes de alguns estúdios chineses assim como de Hollywood na iTunes Store, disse a Apple.

Apple Watch

O novo relógio da Apple é vendido por uma média de US$ 529, incluindo acessórios, na ponta mais alta das estimativas de Wall Street, de acordo com os resultados de levantamento da empresa de pesquisa de mercado Wristly.

Os investidores estão monitorando profundamente a performance do mais recente produto da Apple para ver se ela pode abrir uma nova fonte de crescimento para a companhia, muito dependente da venda de iPhones.

Mas a rentabilidade dos relógios tem sido difícil de avaliar devido à variação dos preços, de US$ 350 pelos modelos esportivos a modelos de ouro sólido que custam US$ 17 mil.

Os números revelados à agência inglesa de notícias Reuters pela Wristly, que pesquisou mais de 2,2 mil usuários do Apple Watch, estão no topo das estimativas dos analistas, muitos dos quais têm estimado o preço médio de venda entre US$ 425 a US$ 550.

A Apple não revelou os números das vendas, elevando as preocupações entre algumas pessoas em Wall Street. A pesquisa da Wristly sugere que alguns investidores subestimaram a rentabilidade do dispositivo, disse o fundador da empresa, Bernard Desarnauts.

Um porta-voz da Apple se recusou a comentar a pesquisa.