Sérvia tira embaixador dos EUA em protesto por Kosovo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008 as 20:01, por: cdb

O governo da Sérvia decidiu nesta segunda-feira convocar de volta a Belgrado o seu embaixador em Washington, depois de o governo dos Estados Unidos ter decidido reconhecer a independência unilateral de Kosovo, anunciada no domingo.

A reação sérvia foi confirmada pelo primeiro-ministro Vojislav Kostunica, em um discurso no Parlamento em Belgrado.

Kostunica disse que a declaração de independência de Kosovo foi um ato “unilateral, ilegal e imoral”, realizado com o respaldo da “força bruta dos Estados Unidos e da Otan (a aliança militar do Ocidente)”.

— Os americanos violaram a lei internacional em nome de seus próprios interesses —, afirmou o primeiro-ministro.

Em uma declaração por escrito, a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, disse que os Estados Unidos estão prontos para estabelecer relações diplomáticas plenas com Kosovo, e que os dois lados têm uma amizade especial.

Rice também reafirmou a amizade entre Estados Unidos e Sérvia e convidou o governo de Belgrado a ajudar a proteger os direitos e a cultura da comunidade sérvia em Kosovo.

Mais cedo, o presidente americano, George W. Bush, disse durante sua viagem à África que “os kosovares são agora independentes” e que a independência era algo que ele e seu governo defendiam há muito tempo.

ONU

Em Belgrado, milhares de pessoas realizaram protestos contra a independência. Outros protestos foram realizados em Mitrovica, no próprio Kosovo.

O governo da Sérvia decidiu levar a disputa para a ONU, onde o seu principal aliado, a Rússia, lidera uma campanha para que a independência não seja reconhecida.

O presidente da Sérvia, Boris Tadic, exigiu nesta segunda-feira que o Conselho de Segurança da ONU anule imediatamente a independência de Kosovo, e disse que Belgrado vai usar de todos os meios políticos e diplomáticos para evitar a separação de uma parte de seu território.

A União Européia decidiu liberar cada um dos países-membros do bloco para decidirem se reconhecem ou não a separação. A maioria reconheceu a independência, mas vários outros, como a Espanha e a Moldávia, não a aceitaram.