Sertão na da maior feira de tecnologia do mundo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 15 de março de 2003 as 15:00, por: cdb

Nem mesmo a criatividade do mais conhecido escritor alemão, Goethe, seria capaz de imaginar que em tempos modernos países como o Brasil, considerado exótico na Europa, pudessem trazer produtos de última geração produzidos e desenvolvidos no Sertão.

O mesmo Sertão épico de Euclides da Cunha, que presenteou o Brasil com várias gerações de intelectuais, criados nesta região seca.

Sem dúvida, imaginação é o que nunca faltou aos nordestinos, por que então não direcioná-la para o mundo virtual? A resposta à proposta pode ser vista na Cebit, maior feira do setor no mundo, realizada em Hanover, Alemanha, aberta no 12 e que vai até 19 de março, onde podem ser vistas as últimas novidades do mercado internacional.

O pólo de tecnologia de Campina Grande nasceu com o crescimento da tecnologia desenvolvida pela Universidade Federal da Paraíba, que já em 1967 decidiu investir na informática.

Em 1984 houve a criação do parque tecnológico, que desde então não parou de se expandir. Segundo Alexandre Moura, diretor de marketing da Light Infocon Tecnologia, a primeira participação das empresas de Campina Grande na Cebit só foi possível através do stand coletivo.

Um pavilhão de 240m² realizado com apoio da Apex- Brasil (Agência de Promoção de Exportações do Brasil ), que abriga 11 empresas da área de hard e software.

“Empresas de médio e pequeno porte não poderiam arcar com os custos de um stand individual”, afirma Alexandre.

A presença de estrangeiros em Campina Grande tornou-se algo natural. Com o crescimento da universidade alguns professores foram trazidos de outros países. O resultado é que na cidade pode-se encontrar hindus, poloneses, canadenses ou franceses totalmente adaptados à realidade do Nordeste. Seus filhos tornaram-se brasileiros o que confirma o Brasil como um país de fácil integração cultural. Integração essa que facilita as negociações com clientes estrangeiros.

A Light Infocon, por exemplo, além de haver conquistado contratos importantes no Brasil (Polícia Federal, Infraero, Ministério da Defesa) com seus softwares para bancos de dados e gerência eletrônica de documentos, também apostou nesse talento brasileiro e hoje tem clientes internacionais como a polícia espanhola e a Interpol.