Sérgio Cabral vistoria obras no Fundão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 15 de outubro de 2009 as 13:15, por: cdb

O governador Sérgio Cabral e a secretária estadual do Ambiente Marilene Ramos vistoriam, na segunda-feira, as obras de recuperação e revitalização do Canal do Fundão, iniciadas em maio deste ano. O ministro do Meio Ambiente Carlos Minc participa da inspeção. As obras também são parte fundamental da preparação do Rio para as Olimpíadas de 2016.

A resolução deste passivo ambiental envolve recursos da Petrobras da ordem de R$ 194 milhões, e constitui prioridade para o Governo do Estado, com vistas à Copa do Mundo de 2014 e às Olimpíadas de 2016. Além de recuperar uma região bastante degradada, a dragagem também reduzirá as enchentes causadas pela elevação do nível do Rio Faria Timbó.

Também participam da vistoria o reitor da UFRJ, Aloísio Teixeira, os pro-reitores e a presidente da Comissão de Acompanhamento das obras pela Universidade, Ângela Rocha. Pela Petrobras, o gerente-executivo de Segurança, Meio Ambiente e Saúde (SMS), Ricardo Azevedo; o gerente da Região Sudeste de SMS, Ronaldo Torres; e o diretor de Serviços, Renato Duque; além do vice-presidente do Bio-Rio, Ângelo Luís Monteiro de Barros, entre outras autoridades.

A obra compreende o desassoreamento de 7 km de extensão do Canal do Fundão, facilitando a circulação de água, com a dragagem de 2 milhões de metros cúbicos de material. O sedimento a ser retirado possui uma camada de pelo menos quatro metros, a partir do nível da água. Uma draga já está efetuando o trabalho e as outras duas, que chegam ao canal do Fundão nos próximos dias, reforçarão o serviço de retirada do material.

Na vistoria, a secretária apresentará para a imprensa o processo de encapsulamento do material retirado do canal. 

– Também faremos a urbanização da Ilha do Fundão, com recursos de R$ 30 milhões, do Fecam – disse Marilene Ramos, acrescentando que o projeto também compreenderá o saneamento da vila residencial da UFRJ e o reforço dos pilares de sustentação da Linha Vermelha e pontes Oswaldo Cruz e Brigadeiro Trompovski.

A recuperação do Canal do Fundão vai ainda melhorar a qualidade de vida para a população da comunidade da Maré.

A Petrobras também financiou, com recursos de R$ 2 milhões, para elaboração do projeto-executivo da obra e o EIA/RIMA (Estudo de Impacto Ambiental). No projeto, foram realizados estudos detalhados do solo e análise dos sedimentos em 107 pontos da região e constatou a presença de metais pesados como mercúrio, chumbo, cádmio, antimônio e outros metais.

Os trechos contaminados com metais pesados passarão por um processo de separação de areia. Após esse procedimento, os sedimentos restantes serão dispostos em cápsulas de geotextil. A água, completamente limpa, retornará para a Baía de Guanabara. O material não-contaminado será levado para local devidamente licenciado. O lixo, por sua vez, será levado para o aterro sanitário de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.