Ser considerado louco é pior que a morte, diz atirador norueguês

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 4 de abril de 2012 as 08:57, por: cdb

Ser considerado louco é pior que a morte, diz atirador norueguês

OSLO, 4 Abr (Reuters) – O militante de extrema-direita que matou 77 pessoas na Noruega no ano passado vai usar seu julgamento para contestar o diagnóstico de que ele é louco, algo que seria “pior que a morte”, mostraram nesta quarta-feira trechos de uma carta que ele escreveu.

O julgamento de Anders Behring Breivik, que matou a tiros 69 pessoas em um acampamento da juventude do Partido Trabalhista depois de explodir um carro-bomba no centro de Oslo matando oito pessoas, começa em 16 de abril na capital norueguesa.

Em novembro, dois psiquiatras indicados pelo tribunal consideraram o atirador de 33 anos como psicótico e esquizofrênico paranoico no momento dos ataques, o que normalmente significa que ele não poderia ser condenado à prisão.

Em uma carta de 38 páginas que ele escreveu na prisão e enviou para vários meios de comunicação noruegueses -cujos trechos foram publicados no jornal VG nesta quarta-feira- Breivik disse que ser considerado criminalmente insano era insuportável para ele.

“Devo admitir que esta é a pior coisa que poderia ter acontecido comigo, pois é a maior humilhação”, escreveu ele. “Enviar um ativista político a um hospital psiquiátrico é mais sádico e perverso do que matá-lo! É um destino pior que a morte.”

Breivik disse que cometeu os ataques em 22 de julho do ano passado para proteger a Noruega do multiculturalismo. Foi o pior surto de violência desde o final da Segunda Guerra Mundial.

“Eu sabia, com certeza, o que era certo e o que era errado, mas eu agi instintivamente”, Breivik escreveu na carta.

Ele criticou os dois psiquiatras, Torgeir Husby e Synne Soerheim, de incapacidade de serem objetivos.

“Husby disse em várias ocasiões que o que eu tinha feito era bestial e eu tenho a impressão de que ele me viu como um animal selvagem que tinha de ser preso e drogado a qualquer custo.”

“Um evento que traumatizou a nação também traumatizou Husby e Soerheim a tal ponto que eles devem ser considerados como tendo um conflito de interesses? Pode ser que dois psiquiatras designados pelo tribunal que ficaram tão emocionalmente afetados pelo 22 de julho não sejam capazes de serem objetivos?”

Após um clamor público com a publicação do primeiro relatório psiquiátrico, os juízes do caso pediram uma outra avaliação da saúde mental de Breivik por especialistas diferentes. O resultado deve ser publicado na terça-feira.

Breivik será julgado, em um caso que deve durar dez semanas, independentemente das avaliações dos psiquiatras.

Se os juízes decidirem no final do julgamento que ele é psicótico, ele provavelmente deve ser colocado em uma unidade de alta segurança psiquiátrica. Caso contrário, ele poderá enfrentar até 21 anos de prisão, mas pode ser mantido por mais tempo se for considerado perigoso demais para ser libertado.

O advogado de Breivik disse que iria convocar testemunhas de defesa para mostrar que seu cliente não era criminalmente insano. Entre essas testemunhas estão Mullah Krekar, fundador curdo do grupo islâmico Ansar al-Islam, que recentemente foi preso na Noruega por fazer ameaças de morte, e “Fjordman”, um blogueiro norueguês de direita, quem teve grande influência intelectual sobre Breivik, segundo a polícia.

Fjordman, cujo nome verdadeiro é Peder Jensen, negou ter qualquer ligação com Breivik.

Reuters