Seqüestro em Brasília chega ao fim

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de dezembro de 2003 as 21:06, por: cdb

Por volta das 18 horas deste domingo, o ex-presidiário Assis Leite Maia Filho, que manteve por 24 horas como refém Maria Amélia Ribeiro Luz, de 45 anos, tia de sua ex-namorada, entregou-se à Polícia. A refém foi libertada sem ferimentos.

O caso aconteceu por causa de um “infortúnio no amor”, segundo a polícia. O ex-presidiário provocou tensão no natal na cidade-satélite do Gama, a cerca de 30 quilômetros de Brasília.

De acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal, ele estava armado com uma faca, provavelmente uma “peixeira”. Para entrar na casa da vítima, o ex-presidiário, que está sob liberdade condicional, teria pedido a um chaveiro que abrisse a porta. Em seguida, teria se escondido embaixo de uma cama. Quando Maria Amélia chegou em casa, Maia Filho dominou-a.

Táticas

Os policiais utilizaram diversas táticas para libertar Maria Amélia. Na madrugada de hoje, ligaram por várias vezes as sirenes das viaturas policiais com o objetivo de cansar Maia Filho. Mas o ex-presidiário exigia a presença da ex-namorada no local para liberar a refém. Em entrevista à rádio CBN, o pai de Maia Filho disse que ele tem problemas mentais.

Mais de 50 homens do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar participavam das negociações com o ex-presidiário. Carros da Polícia e do Corpo de Bombeiros fizeram plantão em frente à casa de Maria Amélia. Durante o dia, um advogado esteve no local. À tarde, como mais uma forma de pressão, a Polícia decidiu desligar a luz da casa.