Senado, mais seguro após pesquisa positiva, sabatina indicados de Lula

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 21 de setembro de 2009 as 12:41, por: cdb

A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado reúne-se, nesta terça-feira, para sabatinar o ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, indicado para o cargo de ministro do Tribunal de Contas da União. A indicação, feita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, precisa ser aprovada pelos senadores. O presidente também indicou o atual advogado-geral da União, José Antonio Dias Toffoli, para ministro do Supremo Tribunal Federal. Ele deve ocupar a vaga deixada pelo ministro Carlos Alberto Menezes Direito, que morreu no início do mês. A indicação também precisa passar pelos senadores. A sabatina dele está marcada para 30 de setembro, na Comissão de Constituição e Justiça.

Ainda na manhã desta segunda-feira, os senadores tiveram acesso à pesquisa do Instituto Análise, divulgada na última edição do diário paulistano O Estado de S. Paulo, que mostra a aversão de 52% dos entrevistados à idéia de extinção da Casa. Os pesquisadores ouviram mil eleitores no levantamento realizado no final de agosto e 520 consideraram a instância superior do Poder Legislativo tão importante quanto a Câmara dos Deputados, “porque desta forma é possível aprimorar as leis”. Outros 35%, no entanto, opinam que o Brasil precisa somente da Câmara “para que as leis sejam bem feitas”.

Apesar do desgaste da instituição, após a crise que, por pouco, não alterou novamente o equilíbrio de poder na República, o resultado foi surpreendente para os próprios senadores. Muitos deles souberam da intenção de uma corrente do Partido dos Trabalhadores de debater a possibilidade de um sistema unicameral no país, a partir do escândalo dos atos secretos.

Alberto Carlos Almeida, diretor do Instituto Análise e autor dos livros A Cabeça do Brasileiro e A Cabeça do Eleitor, ao avaliar a pesquisa, pontuou que o estudo mostra a capacidade de a maioria da população discernir “a instituição Senado da pessoa física do senador”. Em entrevista, ele afirmu que essa visão institucional é mais disseminada entre os mais escolarizados – 64% dos entrevistados com curso universitário afirmam que a Casa deve ser mantida.

Em conversa com os repórteres, nesta segunda-feira, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), disse que o resultado do levantamento “é uma surpresa muito positiva”.

– Isso mostra que a população tem consciência de que a Casa é necessária em um País em que três ou quatro Estados controlam o poder. Os eleitores são contra os atuais senadores, mas não contra o Senado – concluiu.