Sem-terra ocupam sede do Incra em Cuiabá

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 28 de agosto de 2003 as 13:35, por: cdb

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Assentados e Acampados (MTA) falam que vão resistir a uma ordem de despejo expedida pelo juiz José Pires da Cunha, da 5ª vara federal, determinando a reintegração de posse da sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), ocupada desde segunda-feira. Ontem à noite, eles colocaram garrafas cheias de combustível sobre veículos estacionados na frente do órgão.

O juiz escreveu que deverão ser expedidos os mandados para a reintegração, a serem cumpridos pelo oficial de Justiça, inclusive se necessário “com força policial federal, coadjuvada pelo Batalhão de Polícia Militar”. A Procuradoria Jurídica do Incra entrou com o pedido de reintegração ainda na terça-feira.

O MTA é uma dissidência do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Sua atuação se resume principalmente à região sul de Mato Grosso, onde possui centenas de famílias acampadas. De acordo com o coordenador do MTA, a principal reivindicação é maior rapidez nos processos de desapropriação de nove fazendas que estariam emperrados por conta da burocracia do órgão. O MTA já fez pelo menos oito ocupações na sede do Incra somente esse ano. Em todas elas o pedido foi o mesmo: agilidade nas desapropriações.