Sem-terra ocupam o Senado Federal e querem ficar por tempo indeterminado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 9 de outubro de 2001 as 16:34, por: cdb

As exigências dos sem-terra, que ocupam o Senado, segundo o coordenador do MST Gilmar Mauro, são as seguintes: terra para as famílias acampadas; crédito para os assentados que ainda não o receberam; renegociação das dívidas dos pequenos agricultores e execução dos convênios já assinados com o Ministério do Desenvolvimento Agrário e o Incra, que têm por objetivo a educação e jovens e adultos.

Gilmar Mauro disse que, se o ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann, ou um representante do ministério não der a garantia de atendimento dessas reivindicações, eles não desocuparão o auditório. Os sem-terra vieram a Brasília para participar do Tribunal Popular da Reforma Agrária, promovido pelo Fórum de Entidades do Distrito Federal pela Reforma Agrária. Portando bandeiras do MST, alguns sem-terra ocupam a entrada do auditório, enquanto seguranças do Senado apenas observam.

Os sem-terra estão acampados em Brasília desde 3 de setembro, vindos de vários Estados brasileiros e pertencentes ao MST, MPA, ANMTR, MAB, CPT, Contag, entre outros. Segundo a liderança do Movimento, “a vigília no Senado Federal é por tempo indeterminado. Os trabalhadoras e trabalhadores rurais estão dispostos a continuar mobilizados em Brasília, reivindicando Reforma Agrária e créditos para agricultura brasileira”.