Seita do reverendo Moon é suspeita de sonegar US$ 12 milhões no Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 9 de maio de 2002 as 17:41, por: cdb

A seita do polêmico reverendo sul-coreano Sun Myung Moon, que vem sendo investigada nos últimos meses pela Polícia Federal (PF) e pelo Ministério da Fazenda do Brasil, é suspeita de sonegar cerca de US$ 12 milhões em impostos. Os agentes da PF e da Receita Federal envolvidos nas investigações também apuram denúncias de lavagem de dinheiro, segundo fontes policiais.

No começo desta semana, 70 policiais e 35 agentes fizeram buscas em 12 locais ligados à Associação de Famílias pela Unificação e a Paz Mundial, a seita dirigida por Moon. As operações, que resultaram na apreensão de documentos e materiais, como disquetes de computadores, ocorreram simultaneamente em São Paulo e em três municípios do estado do Mato Grosso do Sul, chegando a residências de dirigentes do grupo.

A investigação teve início em dezembro, depois que um ex-funcionário da seita acusou seus dirigentes de envolvimento em lavagem de dinheiro e evasão fiscal. A seita de Moon virou notícia policial pela primeira vez no começo da década de 1980, devido a suspeitas de seqüestro de menores e lavagem cerebral em seus adeptos. As alegações acabaram não sendo comprovadas.

A partir de 1995, a movimentação financeira da seita passou a despertar atenção das autoridades brasileiras, depois que Moon e seus assessores começaram a adquirir vastas extensões de terras abrangendo o Mato Grosso do Sul e o Paraguai. Atualmente, a seita é proprietária de quase 1.000 hectares na região de fronteira.