Segurança vai unir secretarias de São Paulo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 25 de janeiro de 2002 as 18:59, por: cdb

A união das secretarias de Estado de São Paulo em torno da segurança pública já está em andamento. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse hoje que a secretaria de Segurança Pública vai orientar as outras 21 secretarias no planejamento de ações no combate à violência. “Na semana que vem vamos reunir as secretarias. Há todo um trabalho sendo feito verificando quais as áreas de maior risco (violência) para realizar um trabalho social mais intenso”, disse.

De acordo com o governador, está sendo feito um levantamento de várias regiões da cidade para saber quais as atividades necessárias em bairro e favelas. O intuito é a abrir as escolas estaduais de bairros da periferia para atividades culturais e esportivas que estimulem os jovens a sair da rua e se distanciarem da violência. A secretaria de Juventude, que acumula a pasta de Esportes, vai construir 500 quadras poliesportivas em todo o Estado. “Se tivermos a ajuda do setor privado, e acredito que isso será possível, podemos ampliar esses trabalho”, afirmou.

O governador disse que São Paulo deve seguir as idéias da polícia de Nova York, que ressalta a importância da presença da polícia e do governo – Estado e Município – na comunidade. “Vamos conversar com as prefeituras para intensificar os trabalhos dos centros de cidadania”, disse o governador, que pedirá à prefeitura de São Paulo para integrar essas ações.

O tema da violência esteve presente no sermão do cardeal arcebispo de São Paulo, dom Cláudio Hummes, na missa em comemoração aos 448 anos da capital. O arcebispo disse que o povo “clama” por justiça social e segurança pública. A crítica foi dirigida a Alckmin e a prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, que estavam na solenidade. O sermão destacou ainda a exclusão social a insegurança que considera geral no País. Dom Cláudio pediu rapidez e inteligência na solução dos casos de violência como o assassinato do ex-prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT), no último final de semana, mas disse que o governo do Estado já está se esforçando para solução o problema.

“As palavras do cardeal devem sempre merecer reflexão e de nossa participação”, comentou Alckmin. O cardeal abordou duas questões – o social, essa é uma tarefa fundamental dos três níveis do governo e da sociedade. O outro tema que abordou foi a violência, destacando o fato de que o governo tem feito um esforço grande nessa área e nós vamos redobrar esse esforço.

Para exemplificar, Alckmin citou que, na última quarta-feira, a polícia prendeu oito seqüestradores e que ontem houve um confronto entre a polícia e oito criminosos na rodovia dos Bandeirantes. “Onde cinco foram mortos e três presos. Isso é todo dia, a polícia tem tido sucesso, tem se esforçado diariamente”, acredita o governador.

O governador não quis rebater as críticas sobre o desempenho da polícia no combate a violência, que tem sido feitas por políticos do PT. “A declaração não colabora para resolver o problema, é generalização totalmente descabida. E eu não vou transformar problema sério da Segurança em briga política”.