Sede da ONU em Herat é invadida após a destituição de governador

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 12 de setembro de 2004 as 13:02, por: cdb

Centenas de manifestantes invadiram neste domingo as instalações das Nações Unidas na cidade de Herat, na região oeste do Afeganistão, durante os protestos que começaram após a destituição anunciada ontem do governador dessa província, informou o porta-voz da ONU em Cabul, Manoel de Almeida e Silva.

Segundo Almeida, os manifestantes derrubaram a porta do recinto da ONU em Herat, apedrejaram as instalações e atearam fogo pelo menos em um dos veículos que havia no pátio, o que levou os trabalhadores da organização internacional a se refugiar em um búnquer.

Pelo menos duas pessoas ficaram feridas desde ontem nos enfrentamentos travados entre manifestantes que apóiam o governador destituído, “o senhor da guerra” Ismail Khan, e as tropas americanas e do exército Nacional Afegão, que tentam estabelecer a ordem na cidade, segundo um comunicado difundido pelas autoridades militares dos EUA em Cabul.

Segundo testemunhas, os distúrbios causaram pelo menos dois mortos.
Cidadãos de Herat disseram à EFE por telefone que as tropas dos EUA e do governo de Cabul mantiveram diversos enfrentamentos com os manifestantes seguidores de Khan, que governou Herat desde a queda do regime ultra-integrista islâmico Talibã, no final de 2001.

Segundo essas testemunhas, os manifestantes levantaram barricadas nas ruas da cidade e enfrentaram os militares e policiais, em incidentes nos quais “morreram pelo menos meia dúzia de manifestantes”, informação que não foi confirmada por outras fontes.

A polícia afegã informou que cerca de cem pessoas foram detidas desde ontem “por causar distúrbios” na cidade de Herat.

Sayed Mohamed Jair, até agora embaixador do Afeganistão na Ucrânia, que foi designado ontem novo governador de Herat pelo presidente, Hamid Karzai, tomou posse do cargo hoje em meio a fortes medidas de segurança.
Khan, segundo declarações difundidas por meios afegãos, aceitou a destituição e rejeitou o cargo de ministro de Mineração e Indústria do governo central de Cabul, função de pouca relevância em um país assolado pela violência.