Seca se agrava no Ceará e coloca 178 cidades em situação de emergência

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 4 de setembro de 2012 as 08:11, por: cdb

(1’31” / 360 Kb) – O longo período de estiagem no estado do Ceará esta perto de ser a mais severa seca enfrentada pela região nos últimos 19 anos e a quinta pior da história. A previsão é da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). No semiárido cearense são 76 dias sem chuva, o que obrigou 178 cidades – das 184 do estado – a decretar situação de emergência.

Em entrevista à Agência Brasil, especialistas consideram que a situação ainda vai piorar. O meteorologista Namir Mello informa que no primeiro semestre deste ano choveu 299,2 milímetros, o que equivale a 50% menos do que a média histórica para a época.

Mello ressaltou que devido à redução no volume de chuvas, “há menos água armazenada nos pequenos açudes, que abastecem as comunidades isoladas e os pequenos produtores rurais. Daí a necessidade do uso de carros-pipa para esses lugares.”

Já a assessora técnica da Defesa Civil estadual, Ioneide Araújo, disse à reportagem que a situação ainda vai se agravar. Segundo ela, para os 154 municípios cearenses que ficam em regiões caracterizadas como semiárido os meses de estiagem mais rigorosos ainda vão começar. As chuvas consolidadas deverão aparecer somente a partir do mês de fevereiro.    

Segundo a Defesa Civil estadual, nas cidades mais afetadas, que estão localizadas nas regiões do sertão Central – Inhamus e Jaguaribana –, vivem cerca de 2,5 milhões de pessoas. 

De São Paulo, da Radioagência NP, Daniele Silveira.

04/09/12

Troca de votos por água é preocupante no semiárido Agricultores cobram ações efetivas de enfrentamento à secaAgricultores terão crédito emergencial para enfrentar seca