Saudações e protestos marcam o desfile das campeãs do Carnaval no Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 9 de março de 2003 as 10:40, por: cdb

A Beija-Flor de Nilópolis encerrou o desfile das campeãs no Sambódromo do Rio com o dia amanhecendo. Eram quase 6 horas e a escola repetiu a apresentação que a tornou vencedora do Carnaval de 2003.

A Beija-Flor se apresentou completa e foi saudada pelo público que, apesar da hora, lotava as arquibancadas e camarotes. Logo no início da avenida, na arquibancada popular do setor 1, a escola foi recebida com o coro de “é campeã”.

A Mangueira, que desfilou antes, também foi saudada pelo público. A escola não concordou com o vice-campeonato da escola. Enquanto fazia o “esquenta” da bateria, o presidente da Mangueira, Álvaro Caetano cumprimentou a Beija-Flor pelo título e disse que a Mangueira valoriza muito o vice-campeonato, mas vai partir para a competição “porque o título está em Nilópolis temporariamente”.

A escola queria repetir o desfile emocionante da segunda-feira de Carnaval, mas teve que enfrentar alguns problemas. O carro que representava a “Fúria do Faraó”, teve uma das rodas quebradas e ficou cerca de 30 minutos, parado no meio da passarela do samba, até ser rebocado para fim da pista. Foi preciso antecipar a passagem de algumas alas, inclusive a bateria para que não houvesse um espaço vazio.

A Grande Rio, terceira colocada, aproveitou para comemorar a participação pela primeira vez no desfile das Campeãs. Embora faça parte do grupo especial, a escola nunca tinha se classificado entre as seis primeiras do carnaval.

A Imperatriz Leopoldinense teve a seu favor o samba enredo que tratava das várias formas de pirataria e animou o público, afastando, neste ano, a crítica que acompanha a escola, de fazer desfiles técnicos apenas para conseguir os pontos dos jurados.

A Mocidade Independente de Padre Miguel entrou na avenida fazendo protesto. Uma faixa preta dizia ” Mocidade Nota 10. Jurados nota 0″.
A escola não se conforma com as notas 8,9 e 8,2 dadas à bateria. Um ritmista desfilou com uma faixa perguntando “Por que estas notas?”. A escola foi recebida pelo público da arquibancada popular com o coro de “É nota dez”.

O desfile das campeãs foi aberto, às 21 horas pela Viradouro, que ficou em sexto lugar neste carnaval. A escola teve que enfrentar a chuva que ainda caía no Sambódromo.

Apesar de mais fina, a chuva prejudicou muitos integrantes como a rainha da bateria Luma de Oliveira, que foi obrigada a fazer parte do desfile descalça e teve problemas também na fantasia por causa da água.