Sarney ainda não decidiu sobre destino da investigação de ACM

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de fevereiro de 2003 as 18:39, por: cdb

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse na tarde desta sexta-feira, em entrevista, que ainda não decidiu sobre o destino do requerimento da bancada do PT pedindo investigação, pelo Conselho de Ética, das denúncias de envolvimento do senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) no grampo telefônico da Bahia.

O requerimento está na mesa de Sarney e em conversa com o senador Paulo Paim (PT-RS), ele disse que, em tese, o julgamento de senador por prática de crime comum é atribuição do Supremo Tribunal Federal (STF). “Isso é da Constituição, qualquer senador acusado de crime comum, o foro adequado para julgar é o Surpremo”, afirmou.

Sarney não antecipando se enviará ou não o requerimento do PT ao Conselho de Ética para que seus 16 integrantes iniciem logo as diligências sobre o envolvimento de ACM na escuta telefônica clandestina.

“Esse é um assunto que demanda ler e ouvir os orgãos jurídicos da Casa. Vocês (jornalistas) não querem que eu chegue agora e decida no meio de uma conferência de imprensa. Não tenho tendência nenhuma, cumpro a Constituição e o regimento, sempre.

O senador lembrou que em 1995, quando o PSDB denunciou o então senador Ernandes Amorim, sua providência com presidente da Casa foi a de remeter o caso para o STF, pois “essa é a competência do Supremo”.

Perguntado se não teme ser acusado de proteger ACM, Sarney reagiu: “Se proteger alguém é submetê-lo ao Supremo Tribunal Federal eu não sei o que é proteger ou desproteger”.