São Paulo x Corinthians: clássico promete pegar fogo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 28 de setembro de 2002 as 01:28, por: cdb

Ricardinho é o personagem do jogo e, independentemente do que faça dentro de campo, será o nome do clássico. Mas às vésperas do confronto mais badalado do Campeonato Brasileiro, Corinthians e São Paulo optam por incitar a tradicional rivalidade histórica entre os clubes para tirar os holofotes do meia.

Aos 26 anos, pivô da maior e mais polêmica transação do futebol paulista nos últimos anos, o pentacampeão Ricardinho virou líder do time do Morumbi na última hora. A dois dias de enfrentar seu ex-clube pela primeira vez, ele assumiu a postura de capitão, deu palestra aos jogadores e pediu para não dar entrevistas. Seus novos companheiros adotaram um discurso de revanchismo, de quem quer desforra de tudo o que o Corinthians já ganhou neste ano _venceu o São Paulo na final do Torneio Rio-São Paulo e nas semifinais da Copa do Brasil.

“Não estamos pensando em vingança, mas é impossível esquecer o que aconteceu, principalmente porque faz muito pouco tempo”, afirmou o meia Kaká. “O sonho do São Paulo era voltar a disputar a Taça Libertadores, e o Corinthians impediu que isso fosse possível ao nos eliminar da Copa do Brasil”, disse o atacante Reinaldo.

Na ponta da tabela e em franca ascensão no campeonato, o Corinthians fala em tirar o São Paulo do páreo, afundar o rival no torneio, além de mostrar que aprendeu a jogar sem Ricardinho.

“Demoramos um pouco para encarnarmos uma nova filosofia sem ele [Ricardinho], mas isso já deu certo”, afirmou o técnico Carlos Alberto Parreira. “O Corinthians já mostrou que não era só Ricardinho”, disse o lateral-esquerdo Kléber, que retorna após cumprir suspensão.

Independentemente da presença do meia, no Parque São Jorge fala-se em complicar a situação do adversário, que já está fora da zona de classificação desde a rodada anterior.

“Se nós empurrarmos eles para baixo na tabela, tiraremos um grande time da disputa”, declarou o meia Renato. “É quase um jogo de seis pontos, porque o São Paulo é rival direto por uma vaga”, completou o zagueiro Fábio Luciano.

Do lado de fora do gramado, a Gaviões da Fiel, principal torcida organizada corintiana, promete levar milhares de notas confeccionadas de um dólar para hostilizar Ricardinho.

Mas tanto Parreira quanto o novo treinador do meia, Oswaldo de Oliveira, descartam que a pressão influenciará no desempenho do jogador.

“Ele tem muita personalidade e não vai se deixar abater”, disse o comandante corintiano. “Ele é uma pessoa tranquila e sabe da responsabilidade que tem”, afirmou Oliveira.

Ontem, Ricardinho tentou amenizar a importância do clássico e disse não estar preocupado com as manifestações da torcida adversária. “Eu trabalho para o São Paulo e nada vai tirar a minha concentração dentro de campo.”