São Paulo terá energia produzida do lixo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 14 de dezembro de 2001 as 19:34, por: cdb

Até o final de 2002, os dois aterros sanitários da cidade de São Paulo – São João, em Sapopemba, e Bandeirantes, em Perus – estarão produzindo energia elétrica a partir do gás metano produzido pelo lixo. Pelo contrato com a Prefeitura, as empresas Biogás Ambiental e Interpa Ambiental farão os investimentos para captação do gás e poderão comercializar a energia produzida.

A propriedade do gás, porém, continua da Prefeitura, que terá o direito de comercializar os ganhos ambientais da diminuição da emissão de metano, quando for implementado o Protocolo de Kyoto. Esse tratado internacional prevê a adoção do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, pelo qual países ou empresas poluidoras poderão compensar parte de suas emissões de gases, que colaboram para o aquecimento global, financiando projetos que diminuam as emissões em países em desenvolvimento.

Para Stela Goldenstein, secretária municipal do Meio Ambiente, a cidade terá dois grandes ganhos ambientais: uma fonte renovável de energia e a redução da poluição. “O gás metano não é um problema para a saúde, mas é 20 vezes mais potente para o aumento do efeito estufa do que o monóxido de carbono”, explica.

Recém-chegada de uma reunião do ICLEI (Institutional Council for Local Environmental Initiatives) – que aconteceu de 9 a 11 de dezembro, em Heildelberg (Alemanha) – onde foi discutir o papel dos municípios na redução dos impactos dos gases do efeito estufa, a secretária diz que a diminuição da emissão de gases do lixo é uma das principais colaborações que as prefeituras podem dar.

Segundo Goldenstein os dois aterros em funcionamento no município são bem gerenciados e poderão operar ainda por bastante tempo. “O São João ainda tem muita área para expansão e o Bandeirantes pode ser bastante otimizado, mas não foram projetados para controlar as emissões de metano. É por isso que eles têm cheiro”, explica. Esse problema também deverá praticamente acabar quando a produção de energia estiver implantada.